A Saga do Monstro do Pântano, por Alan Moore - Outro Mundo Verde

A Saga do Monstro do Pântano começa a definir sua viagem. “Outro mundo verde“, é a quarta escrita por Alan Moore (Lost Girls, Supremo), talvez terceira se descontarmos “Pontas Soltas“. Parece que já temos definido o vilão dessa etapa. Publicada em The Swamp Thing Saga #23 (abril de 1984), com arte de Steve Bissette e John Totleben.

“Há um furioso mundo vermelho… onde coisas vermelhas acontecem. O mundo devora sua mulher… devora seus amigos… devora todas as coisas que o tornam… humano. E você se torna um monstro. E o mundo… segue devorando. Não pude aceitar… ser devorado. Não pude aceitar o mundo vermelho… e fui embora… deixando o corpo para trás. Agora estou em outro lugar”.

O Monstro do Pântano está desde “Empantanado” com sua mente integrada no Verde, a consciência de toda natureza. Ele está se identificando e aceitando como planta. O problema é que através dele Jason Woodrue, o Homem Florônico, também ganhou acesso ao Verde. Isso o enlouqueceu.

Woodrue começa uma cruzada contra a humanidade, matando uma pequena cidade. Faz um vídeo de ameaça, que acaba chegando na Liga da Justiça. Afirma ser o vingador da natureza, que as plantas querem que o homem seja morto devido a destruição que trouxe ao mundo vegetal.

Abigail Cable, sem esperança, questiona sua sanidade enquanto é atacada por plantas. Para isso ela vai atrás do Monstro do Pântano, que segue em seu estado vegetativo.

Na paz do Verde, o Monstro do Pântano começa a perceber algo errado. Começa a perceber outra entidade no Verde, guiando as plantas. Alguém com uma mente vermelha. Alguém que busca violência e morte. Ele recobra sua consciência a tempo de salvar Abby.

A edição termina com as duas forças antagônicas, Monstro do Pântano e Homem Florônico, frente a frente.

A Saga do Monstro do Pântano, por Alan Moore - Outro Mundo Verde
O Monstro do Pântano salva Abby na capa dessa edição

O Legado de “Outro mundo verde”

Alan Morre mergulha no lado psicológico dos personagens, nessa edição que serve como escada para a próxima história, “Raízes”. É apresentado o contraponto entre as duas mentes no Verde, do Monstro do Pântano e no Homem Florônico. Um que vive numa paz verde, outro que busca a destruição do vermelho.

Apesar do conteúdo bastante violento, devido as leis e censuras da época, Moore e Steve Bissette seguram bastante a violência. Não se vê sangue ou cenas grotescas. É tudo escondido, feito fora dos painéis. O código dos quadrinhos estava mais brando, mas ainda presente.

Também é interessante que a história deixa claro que se passa no mundo da DC Comics. A Liga da Justiça é mencionada, vão fazer uma participação maior na próxima edição. Antes da época do surgimento do selo Vertigo era tudo o mesmo universo. Superman e Batman estão nesse mundo, e futuramente as participações especiais vão se tornar mais corriqueiras, mas agora a luta é do Monstro do Pântano.

Destaque também para o retrato que é feito de Abigail. Esse flerte que Moore usa para falar sobre sua possível insanidade serve de gancho para histórias futuras. Sua infância nos Balcãs e seu tio Arcane foram recém sugeridos.

Comentários

Notícias relacionadas