Cinema: Estreias da Semana – [01 de Junho]

A primeira semana do mês de Junho chega com grandes estreias para toda a família, a comédia romântica nacional “Amor.com” estreias nas telonas protagonizado por Ísis Valverde e Gil Coelho, a Playarte apresenta a animação “As Aventuras de Ozzy” com a direção de Alberto Rodriguez e os atores Oscar Martínez, Rodrigo De la Serna e Alejandra Flechner estrelam o drama “Inseparáveis” com a distribuição da Paris Filmes.

Um dos filmes mais esperados de 2017, “Mulher Maravilha” estreias nas telas com a distribuição da Warner Bros e DC com os atores Gal Gadot, Chris Pine, Connie Nielsen e direção de Patty Jenkins. O diretor James Gray e a Imagem Filmes apresentam “Z – A Cidade Perdida” estrelado por Charlie Hunnam, Sienna Miller e Tom Holland.

Confira a seguir os lançamentos da semana:

Amor.com 

BRA – 2016 – Comédia Romântica – Duração: 90 min

Sinopse: Katrina (Isis Valverde) é uma famosa blogueira de modas que dita tendências no mercado brasileiro através de seus populares vídeos na internet. Fernando (Gil Coelho), por sua vez, é um vlogueiro de um canal de videogames que ainda não é muito famoso, mas que já está fazendo certo sucesso. Quando os dois se conhecem, em uma situação complicada, acabam se apaixonando e o romance dos dois vira “febre” na internet, uma febre que eles vão precisar controlar, equilibrando o mundo real e o virtual.

 

Trailer:

 

Diretor: Anita Barbosa

Elenco: Ísis Valverde, Gil Coelho, Alexandra Richter

Distribuidora: H2O

Classificação: 12 Anos

 

As Aventuras de Ozzy 

(Ozzy) – ESP – 2016 – Infantil – Duração: 90 min

Sinopse: Ozzy é um pacífico e amigável cão da raça Beagle que mora com os Martins. Quando a família decide fazer uma longa viagem na qual cães não são permitidos, eles decidem deixar o amado Ozzy em um spa para cachorros. Acontece que esse lugar perfeito na verdade é um fachada construída por um vilão que deseja sequestrar cachorros. Preso, Ozzy precisa evitar o perigo e encontrar força nos seus novos amigos para conseguir voltar a salvo para casa..

 

Trailer:

 

Diretor: Alberto Rodríguez

Elenco: Guillermo Romero, Dani Rovira, José Mota, Michelle Jenner, Carlos Areces, Fernando Tejero, Luis Bajo, Héctor Cantolla

Distribuidora: Playarte

Classificação: Livre

 

Inseparáveis 

(Inseparables) – ARG – 2016 – Drama – Duração: 110 min

Sinopse: Um rico empresário se tornou tetraplégico devido a um acidente e está procurando por um novo assistente terapêutico. Apesar de conhecer pessoas muito qualificadas, ele decide contratar o assistente de seu jardineiro, ainda que as pessoas mais próximas a ele desaprovem sua escolha. Incrivelmente, uma amizade entre os dois começa a brotar.

 

Trailer:

 

Diretor: Marcos Carnevale

Elenco: Oscar Martínez, Rodrigo De la Serna, Alejandra Flechner, Carla Peterson, Rita Pauls, Malena Sánchez, Monica Raiola

Distribuidora: Paris Filmes

Classificação: 14 Anos

 

Mulher-Maravilha 

(Wonder Woman) – EUA – 2017 – Ação – Duração: 140 min

Sinopse: Treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível, Diana Prince (Gal Gadot) nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor (Chris Pine) se acidenta e cai numa praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra.

 

Trailer:

 

Diretor: Patty Jenkins

Elenco: Gal Gadot, Chris Pine, Connie Nielsen

Distribuidora: Warner Bros

Classificação: 12 Anos

 

Z A Cidade Perdida 

(The Lost City of Z) – EUA – 2016 – Aventura – Duração: 141 min

Sinopse: A incrível história real do explorador britânico Percy Fawcett (Charlie Hunnam), que viaja para a Amazônia no século XX e descobre evidências de uma civilização avançada desconhecida que pode ter habitado a região. Depois de ter sido ridicularizado pelo corpo científico que considera as populações indígenas como “selvagens”, Fawcett está determinado a retornar à sua amada selva e provar seu caso.

 

Trailer:

 

Diretor: James Gray

Elenco: Charlie Hunnam, Sienna Miller, Tom Holland

Distribuidora: Imagem Filmes

Classificação: 12 Anos

Mulher Maravilha é o filme que a DC – e nós – precisávamos

Finalmente, depois tantos erros e tropeços, a DC lançou algo digno de nota máxima. Após a péssima recepção de Batman vs Superman e Esquadrão Suicida, quando a empresa anunciou o filme solo de Mulher-Maravilha todos ficamos apreensivos, mesmo com todos os indícios possíveis de que algo bom iria sair. Felizmente, para a alegria geral da nação, assim como a protagonista representou na história uma salvação para o que estava praticamente perdido, a nova produção é a luz no fim do túnel obscuro de filmes recentes da DC. Em meio a um cardápio de filmes de heróis, e digo me referindo aos do gênero masculino, Mulher-Maravilha veio para desconstruir toda e qualquer opinião remanescente sobre um possível sexo frágil.

Seja no mundo das séries ou dos filmes, poucas são as vezes onde vemos um artigo diferente precedendo o nome do herói. Entretanto, o fato da protagonista da vez ser uma mulher não deveria ser assim tão digno de destaque, apenas algo rotineiro e presente no cotidiano como tantos outros. E é exatamente isso que a diretora Patty Jenkins tenta mostrar a todos com a trama, seja por meio das inúmeras cenas de ação da personagem ou pela descrença dos homens em relação a guerreira que está em sua frente. Em uma época onde mulheres “serviam” para cuidar da casa e dos filhos, ter uma que não apenas fosse para guerra como também acabasse com ela, é em suas devidas proporções um reflexo do que ainda enfrentamos na sociedade. Jenkins não precisou apelar para argumentos feministas e/ou piegas em sua produção, pois Diana Prince fala por si só em cada momento onde segue seu instinto, seja ele aprovado ou não pelo público masculino a seu redor.

Um dos diversos pontos positivos do filme é a independência em relação aos quadrinhos, o que acaba por agradar todos os públicos. Os fãs aficcionados pela história de Diana terão seus ideais retratados na tela da melhor forma possível, respeitando o material original e apenas melhorando-o. Ao mesmo tempo, quem ainda não conhecia nada da heroína além do tradicional símbolo e das roupas vermelhas e azuis, terá a chance de ver a criança crescendo e sendo treinada na ilha Themyscira – muito bem representada pelo lugar paradisíaco escolhido nas filmagens – até sua chegada ao “mundo real”, em Londres. A excelente escolha de cenário e os gráficos maravilhosos são acompanhados por uma uma trilha sonora de arrepiar todos os fios de cabelo. Temos desde o clássico tema da personagem composto por Hans Zimmer, e que corroborou para a formação da imagem da Mulher-Maravilha em Batman vs Superman, até uma música composta pela Sia, ou seja, nada que pudesse deixar a desejar!

O filme possuí diversos elementos chave que juntos formaram a bela produção final, mas não podemos deixar de citar a responsável por tudo isso ao lado da diretora. O que falar da beleza estonteante de Gal Gadot? Com trejeitos delicados e ao mesmo tempo intensos e precisos, ela atribui a personagem as expressões no momento certo. Gadot é uma grande guerreira nas cenas de batalhas e explosões; enquanto sabe ser a mulher digna de olhares, elegante e poderosa em um vestido longo. Diana é ingênua e passa a conhecer o mundo pelos olhos de Steve Trevor (Chris Pine), provocando muitas risadas no público e dando o tom de comédia necessário para não se tornar algo bobo. A jovem israelense de 32 anos encarou um papel já interpretado por Lynda Carter e não deixou o peso do nome atrapalhar. Sua atuação é sem sobra de dúvida o maior acerto do filme e serviu de lição para todos que criticaram sua escalação. Que seja nossa Mulher-Maravilha por um bom tempo!

Por mais que todos os holofotes estejam virados para a heroína, não podemos deixar de dar os devidos créditos a seus colegas de elenco. A química entre Chris Pine e Gal Gadot é para romântico nenhum botar defeito, fazendo dele o parceiro ideal para os impulsos de Diana. São entre os dois os momentos de diversão e carinho que servem para amenizar o clima tenso das cenas de ação, e até mesmo quem não é fã de romance se pegará torcendo pelo casal.

Os personagens mais vazios de Mulher-Maravilha são os vilões. Mesmo sendo interpretados por atores de enorme talento, os mesmos não conseguem mostrar tudo aquilo que são capazes e vivem figuras um tanto infantis. Elena Anaya é a Dra. Isabel Maru, ou Doutora Veneno, e mais parece uma cientista louca de um filme de comédia; Danny Huston vive o famoso ditador e general alemão Erich Ludendorff, temido desde os minutos iniciais do filme, mas que não provoca medo nenhum em quem está assistindo.

O verdadeiro vilão é revelado apenas nos minutos finais, por mais que pequenas dicas dêem a entender quem ele é desde o início. David Thewlis abandonou o lado mocinho do Professor Lupin na saga Harry Potter, para viver Ares, o deus da guerra segundo a Mitologia Grega. Ao lado de Gal Gadot, ele protagoniza os momentos de maior ação e efeitos especiais de todo o filme, principalmente quando assume a forma monstruosa do Deus. Entretanto, mesmo com todo o talento já conhecido de Thewlis, Ares não consegue se tornar um vilão emblemático e memorável em um filme da DC, proporcionando ainda mais destaque ao casal principal.

Em suma, Mulher-Maravilha é o filme da heroína que todos precisávamos – principalmente a DC -, surgindo em uma época onde outros semelhantes não emplacaram tanto quanto prometido. Gal Gadot é a nossa nova Mulher-Maravilha e espera-se que permaneça no papel pelo máximo de tempo possível. Com uma trilha sonora invejável, efeitos especiais e visuais adequados para as cenas de ação e um roteiro para fã nenhum botar defeito, a produção merece todas as críticas positivas que vem recebendo pelo mundo. Em um universo rodeado por heróis do sexo masculino foi a do feminino que sobressaiu, já caracterizando a nova história da DC como memorável e necessária nos dias de hoje. Palmas para a Mulher-Maravilha.

 

Crítica | Mulher-Maravilha é a razão para continuar acreditando no universo cinematográfico da DC

Depois de muitas ideias desenvolvidas para filmes e séries que nunca deram certo nos últimos anos, Mulher-Maravilha finalmente ganha seu filme solo. Contudo, o longa veio sob muita pressão por fazer parte do Universo DC no cinema que não vem agradando tanto. O Homem de Aço (2013), Batman vs Superman (2016) e Esquadrão Suicida (2016) foram produções irregulares que não souberam explorar o potencial que tinham. A esperança de que dias melhores estariam por vir ficou sob os ombros da Amazona de Themyscira, que não decepciona.

Dirigido por Patty Jenkins, Mulher-Maravilha consegue o que as outras adaptações não conseguiram, explorar com eficiência a origem da personagem (sem perder sua essência) com um roteiro coerente. Fica a sensação de que este é o primeiro filme do DC Universe, podendo descartar sem rancor os três longas anteriores.

A DC resgata os tempos aureos no que diz respeito a filme de origem. Há muita semelhança com Superman (1978) e Batman (1989) com uma narrativa que vai agradar os fãs de quadrinhos e os leigos do ramo. Uma história fechada e sem invenções. Além disso, a produção resgata o tom de aventura de Indiana Jones com cenas empolgantes de ação e boas doses de humor.

Escrito por Allan Heinberg, a trama começa com uma apresentação redonda sobre a origem das Amazonas. Diana ainda criança desejando ser uma grande guerreira, mas é superprotegida por sua mãe, a rainha Hipólita (Connie Nielsen). Porém, sua tia Antíope (Robin Wright) percebe o potencial na garota e começa a treina-la secretamente. Assim, a pequena criança cresceu e seu amadurecimento e primeira missão surge com a chegada de Steve Trevor (Chris Pine), um espião que trabalha para a inteligência britânica que roubou um caderno com anotações de experimentos da Doutora Veneno (Elena Anaya) sob liderança do General Ludendorff (Danny Huston) que pode ocasionar na morte de milhões durante a Primeira Guerra Mundial. Após ser perseguido por alemães, Steve acaba sendo abatido e seu avião cai na ilha de Themyscira, quando é salvo por Diana (Gal Gadot). Percebendo que uma guerra está acontecendo sob o possível comando de Ares, o Deus da Guerra, a princesa Amazona decide viajar para Londres com Steve para impedir seus planos e salvar a humanidade.

Patty Jenkins acerta em cheio em situar o longa durante a Primeira Guerra Mundial. Sob a perspectiva de Diana, que acabara de conhecer o mundo dos homens, ela sente a atrocidade, a perda e dor que aquela guerra ocasionou. Todos saíram derrotados. Contudo, é na presença dos companheiros Steve Trevor, Etta Candy (Lucy Davis), Sameer (Saïd Taghmaoui), Charlie (Ewen Bremner) e o Chefe (Eugene Brave Rock), que a heroína percebe o lado mais sereno, belo e singelo da humanidade, o que a motiva a se tornar a protetora dos que necessitam e impedir os planos do vilão Ares.

A trama consegue balancear com eficiência o drama e o humor. O tom de cada cena é acertado pela força do elenco. E, se tratando de uma época de bastante opressão dos homens contra as mulheres, o filme aproveita para dar alfinetadas desde a restrição por roupas e a falta do direito de opinar com um tom sarcástico, mas que impõe uma conscientização para os dias atuais.

Se alguns disseram que Gal Gadot entrou muda e saiu calada em Batman vs Superman (mais por conta de uma falha do roteiro picotado do que da atriz), aqui ela mostra a força da Amazona em uma atuação que representa a força feminina. Ao final, fica a lição de que as mulheres não precisam de super poderes para serem heroínas. Há uma força interior capaz de contagiar e cativar, e isso que Diana faz. Ela tem personalidade, tem carisma, é independente e não baixa a guarda jamais quando se sente oprimida.

Outra atuação importante é de Chris Pine como Steve Trevor. Sua relação com Diana é eficaz, equilibrada e sincera. Há uma boa sintonia com Gal Gadot, que resultam em ótimas cenas dramáticas e bem humoradas.

As sequências de ação abusam do slow-motion, mas são bem criativas, pois conseguem explorar o potencial da força de Diana Prince e das Amazonas. As cenas durante as trincheiras são um dos pontos altos do longa.

O único problema do longa está em seu ato final. O desfecho com Ares representa a mesma falha de outrora em filmes de super-heróis: não fazer um vilão à altura de seu herói. Toda a importância dada ao personagem na sequência inicial é destruída em mostra-lo como uma ameaça comum. Muito barulho por nada e nem a batalha chega a empolgar tanto.

Ao final, Mulher-Maravilha é o filme mais importante do universo DC depois de Batman – O Cavaleiro das Trevas. Ambos criaram um estilo próprio, mas sem desconstruir características que definem seus heróis e os fizeram se tornar tão importantes. Um filme para Warner Bros/DC Films se orgulhar, porque pela primeira vez há uma grande heroína, e que se mostra mais imponente que Batman e Superman. É a razão para continuar acreditando no universo cinematográfico da DC. Que venha Liga da Justiça, pois queremos mais Mulher-Maravilha, mais Gal Gadot!

Diana Prince e Steve Trevor dividem o novo cartaz de Mulher-Maravilha

A Warner Bros. Pictures divulgou mais um cartaz de Mulher-Maravilha. A arte mostra a heroína ao lado de Steve Trevor (Chris Pine)!

Antes de tornar-se Mulher-Maravilha, ela era Diana (Gal Gadot), princesa das Amazonas e treinada para ser uma guerreira invencível. Criada numa isolada ilha paradisíaca, Diana descobre que um grande conflito assola o mundo quando um piloto americano (Chris Pine) cai com seu avião nas areias da costa. Convencida de que é capaz de vencer a ameaça de destruição, Diana deixa a ilha. Lutando lado a lado com homens numa guerra que pretende acabar de vez com todas as guerras, ela vai descobrir todos os seus poderes… e seu verdadeiro destino.

Robin Wright, Danny Huston, David Thewlis, Ewen Bremner, Saïd Taghmaoui, Elena Anaya, Connie NielsenLucy Davis estão no elenco.

Sob direção de Patty Jenkins a partir do roteiro de Allan Heinberg, Mulher-Maravilha estreia em 1º de junho. Charles Roven, Zack Snyder e Deborah Snyder produzem o longa, com  Richard Suckle, Stephen Jones, Wesley Coller, Geoff Johns e Rebecca Roven na produção executiva.

Novo trailer de Mulher-Maravilha mostra o treinamento das amazonas

Warner Bros. Pictures e DC Entertainment divulgaram hoje (11) o segundo trailer de Mulher-Maravilha. O vídeo destaca o treinamento de Diana com as amazonas. Veja no player abaixo!

 

Na trama, antes de se tornar Mulher-Maravilha, ela era Diana (Gal Gadot), princesa das Amazonas, treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível. Criada em uma paradisíaca ilha afastada de tudo, Diana descobre por um piloto americano (Chris Pine) acidentado que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e, certa de que pode parar o conflito, decide deixar seu lar pela primeira vez. Travando uma guerra para acabar com todas guerras, Diana toma ciência do alcance de seus poderes e de sua verdadeira missão.

Robin Wright, Danny Huston, David Thewlis, Ewen Bremner, Saïd Taghmaoui, Elena Anaya, Connie NielsenLucy Davis estão no elenco.

Dirigido por Patty Jenkins (Monster), Mulher-Maravilha estreia em 1º de junho. Charles Roven, Zack Snyder e Deborah Snyder produzem o longa, com  Richard Suckle, Stephen Jones, Wesley Coller, Geoff Johns e Rebecca Roven na produção executiva.

Amanhã tem novo trailer de Mulher-Maravilha! Confira o novo cartaz e dois teasers

Warner Bros. Pictures e DC Entertainment divulgaram hoje o novo cartaz de Mulher-Maravilha. Além disso, a protagonista Gal Gadot anunciou que amanhã tem novo trailer do filme. Confira abaixo!

 

Na trama, antes de se tornar Mulher-Maravilha, ela era Diana (Gal Gadot), princesa das Amazonas, treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível. Criada em uma paradisíaca ilha afastada de tudo, Diana descobre por um piloto americano (Chris Pine) acidentado que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e, certa de que pode parar o conflito, decide deixar seu lar pela primeira vez. Travando uma guerra para acabar com todas guerras, Diana toma ciência do alcance de seus poderes e de sua verdadeira missão.

Robin Wright, Danny Huston, David Thewlis, Ewen Bremner, Saïd Taghmaoui, Elena Anaya, Connie NielsenLucy Davis estão no elenco.

Dirigido por Patty Jenkins (Monster), Mulher-Maravilha estreia em 1º de junho. Charles Roven, Zack Snyder e Deborah Snyder produzem o longa, com  Richard Suckle, Stephen Jones, Wesley Coller, Geoff Johns e Rebecca Roven na produção executiva.

Gal Gadot e Chris Pine mandam mensagem para as Mulheres-Maravilha do Brasil

Hoje é Dia internacional da Mulher e a Warner Bros. Pictures divulgou um vídeo com uma mensagem especial de Gal Gadot e Chris Pine, protagonistas do filme Mulher-Maravilha, para as mulheres do Brasil. Veja no player abaixo!

A equipe do Poltrona Nerd também deseja especial Dia Internacional das Mulheres para todas as leitoras.

Gal Gadot, Chris Pine, Robin Wright, Danny Huston, David Thewlis, Ewen Bremner, Saïd Taghmaoui, Elena Anaya, Connie NielsenLucy Davis estão no elenco.

Dirigido por Patty Jenkins (Monster), Mulher-Maravilha estreia em 1º de junho. Charles Roven, Zack Snyder e Deborah Snyder produzem o longa, com  Richard Suckle, Stephen Jones, Wesley Coller, Geoff Johns e Rebecca Roven na produção executiva.

Crítica | Com excelentes atuações, A Qualquer Custo é um clássico faroeste moderno

Filmes western renderam ótimas produções em Hollywood ao longos dos anos. Mas, há muito tempo que não se via um ótimo faroeste, talvez o último tenha sido Bravura Indômita dos irmãos Coen, que foi um remake do filme da década de 60. A Qualquer Custo, longa que recebeu 04 indicações ao Oscar, atualiza o gênero e entrega um clássico faroeste moderno.

Ambientada no Texas nos dias atuais, o filme mostra que muita coisa não mudou na cidade natal do ex-presidente Bush. Lá, parece que as pessoas não avançaram. São rudes, ignorantes, andam armadas livremente e não aceitam quaisquer tipo de diferenças.  A montagem do filme faz um interessante balanço que Texas consegue ser bela com incríveis paisagens, mas ao mesmo tempo desértica e assustadora pela hostilidade presente, muito se devendo a pobreza pós-crise financeira que assolou em 2008.

A pobreza acaba sendo motim dos irmãos Toby Howard (Chris Pine) e Tanner Howard (Ben Foster). Toby é um pai divorciado e Tanner um ex-presidiário que perderam a fazenda da família em West Texas e decidem assaltar um banco como uma chance de se restabelecerem financeiramente. Porém, eles acabam cruzando o caminho de Marcus Hamilton (Jeff Bridges), um Texas Ranger que está para se aposentar e decide cumprir seu dever para a cidade uma última vez.

O cineasta David Mackenzie explora com eficiência a sociedade texana. Através de diálogos preconceituosos e humor negro, Marcus Hamilton representa alguém preso no tempo, que não aceita o “admirável mundo novo”. Ele continua com um pensamento arcaico e não pensa duas vezes em soltar piadas de mau gosto contra Alberto Parker (Gil Birmingham) por ser de origem indígena. Não deixa de ser uma crítica para moradores da cidade que continuam com um linha de raciocínio estreita. Pessoas essas que exaltam Donald Trump por trazer em sua campanha o slogan “make America great again”, que significa nada menos do que nós primeiros e depois os outros.

As atuações de Bridges e Foster são ótimas, mas que não surpreendem por apresentar semelhanças com os respectivos papeis em Bravura Indômita e Os Indomáveis. Entretanto, é Chris Pine que entrega uma performance que foge da zona de conforto. Aqui ele demonstra alguém endurecido pelo ambiente que vive e que se vê forçado a abraçar o lado negro. Toby representa o homem pacato que está cansado de ver injustiças ao redor. Suas motivações são levadas pelo desespero, enquanto seu irmão Tanner é motivado apenas pela adrenalina.

Com uma incrível trilha sonora de Nick Cave e Warren Ellis, A Qualquer Custo é um faroeste contundente e ágil sobre uma cidade melancólica, desolada, onde não existe mocinhos e bandidos. Uma obra ficcional, mas nem por isso menos verídica.

Cinema: Estreias da Semana – [02 de Fevereiro]

A primeira semana do mês de Fevereiro chega com grandes lançamentos e com alguns filmes indicados ao Oscar 2017, o drama “A Qualquer Custo” chega as telonas com direção de David Mackenzie e estrelado pelos atores Chris Pine, Ben Foster e Jeff Bridges. A Paris Filmes apresenta o drama “Armas na Mesa” protagonizado pela atriz Jessica Chastain.

As atrizes Taraji P. Henson, Octavia Spencer e Janelle Monáe estrelam o drama “Estrelas Além do Tempo” dirigido por Theodore Melfi e indicado a Melhor Filme no Oscar, assim como “Jackie” filme protagonizado por Natalie Portman que vive Jacqueline Kennedy que inesperadamente fica viúva e tem que lidar com a morte do marido John F. Kennedy.

O terror “O Chamado 3” distribuido pela Paramount esta de volta aos cinemas e desta vez com a participação dos atores Alex Roe, Johnny Galecki e Matilda Lutz, a mais nova comédia nacional “TOC – Transtornada Obsessiva Compulsiva” estrelado pela atriz Tatá Werneck e com participação de Bruno Gagliasso e Ingrid Guimarães.

Confira a seguir os lançamentos da semana:

A Qualquer Custo 

(Hell Or High Water) – EUA – 2016 – Drama – Duração: 102 min

Sinopse: Dois irmãos, um ex-presidiário e um pai divorciado com dois filhos, perderam a fazenda da família em West Texas e decidem assaltar um banco como uma chance de se restabelecerem financeiramente. Só que no caminho, a dupla se cruza com um delegado, que tudo fará para capturá-los.

 

Trailer:

 

Diretor: David Mackenzie

Elenco: Chris Pine, Ben Foster, Jeff Bridges

Distribuidora: California Filmes

Classificação: 14 Anos

Armas na Mesa 

(Miss Sloane) – EUA, FRA – 2016 – Drama – Duração: 133 min

Sinopse: A história de Elizabeth Sloane (Jessica Chastain), poderosa estrategista política que arrisca sua carreira a fim de passar com sucesso uma emenda com leis de controle de armas mais rígidas.

 

Trailer:

 

Diretor: John Madden

Elenco: Jessica Chastain, Mark Strong, John Lithgow

Distribuidora: Paris Filmes

Classificação: 14 Anos

Estrelas Além do Tempo 

(Hidden Figures) – EUA – 2016 – Drama – Duração: 127 min

Sinopse: 1961. Em plena Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética disputam a supremacia na corrida espacial ao mesmo tempo em que a sociedade norte-americana lida com uma profunda cisão racial, entre brancos e negros. Tal situação é refletida também na NASA, onde um grupo de funcionárias negras é obrigada a trabalhar a parte. É lá que estão Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe), grandes amigas que, além de provar sua competência dia após dia, precisam lidar com o preconceito arraigado para que consigam ascender na hierarquia da NASA.

Trailer:

Diretor: Theodore Melfi

Elenco: Taraji P. Henson, Octavia Spencer, Janelle Monáe

Distribuidora: Fox Film do Brasil

Classificação: Livre

Jackie 

EUA – 2016 – Drama – Duração: 100 min

Sinopse: Jacqueline Kennedy (Natalie Portman), inesperadamente viúva, lida com o trauma nos quatro dias posteriores ao assassinato de seu marido, o então presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy.

 

Trailer:

 

Diretor: Pablo Larraín

Elenco: Natalie Portman, Peter Sarsgaard, Greta Gerwig

Distribuidora: Diamond Filmes

Classificação: 14 Anos

O Chamado 3 

(Rings) – EUA – 2017 – Terror – Duração: 102 min

Sinopse: Julia (Matilda Anna Ingrid Lutz) fica preocupada quando seu namorado, Holt (Alex Roe), começa a explorar a lenda urbana sobre um vídeo misterioso. Lenda esta que diz que quem assiste morre depois de sete dias. Ela se sacrifica para salvar seu namorado e acaba fazendo uma descoberta terrível: há um “filme dentro do filme” que ninguém nunca viu antes.

 

Trailer:

Diretor: F. Javier Gutiérrez

Elenco: Alex Roe, Johnny Galecki, Matilda Lutz, Aimee Teegarden, Christopher Russell (II), Laura Wiggins

Distribuidora: Paramount

Classificação: 12 Anos

TOC 

(TOC – Transtornada Obsessiva Compulsiva) – BRA – 2015 – Comédia – Duração: 105 min

Sinopse: Kika K (Tatá Werneck) é uma atriz que está em novelas, campanhas publicitárias e é idolatrada por milhões de fãs. Mas por trás das aparências, está em crise com sua vida pessoal e profissional, enquanto precisa lidar com as limitações de seu Transtorno Obsessivo Compulsivo. Kika se depara com Felipão, um fã obsessivo (Luis Lobianco), um namorado galã sem noção (Bruno Gagliasso) e os compromissos profissionais marcados pela exigente empresária (Vera Holtz).

 

Trailer:

Diretor: Paulinho Caruso, Teo Poppovick

Elenco: Tatá Werneck, Bruno Gagliasso, Ingrid Guimarães

Distribuidora: Paris Filmes

Classificação: 14 Anos

Mulher-Maravilha ganha trailer internacional com novas cenas

A Warner Bros. Pictures divulgou para o mercado internacional o novo trailer de Mulher-Maravilha, estrelando Gal Gadot (Batman vs Superman – A Origem da Justiça). Veja no player abaixo!

Chris Pine, Robin Wright, Danny Huston, David Thewlis, Ewen Bremner, Saïd Taghmaoui, Elena Anaya, Connie NielsenLucy Davis também estão no elenco.

Dirigido por Patty Jenkins (Monster), Mulher-Maravilha estreia em 02 de junho de 2017. Charles Roven, Zack Snyder e Deborah Snyder produzem o longa, com  Richard Suckle, Stephen Jones, Wesley Coller, Geoff Johns e Rebecca Roven na produção executiva.

Crítica | Star Trek: Sem Fronteiras é o melhor blockbuster do ano até aqui

Apesar de ser um dos pilares da cultura pop, Star Trek sempre foi uma franquia nichada, talvez por ser mais voltada para a ficção científica e menos para uma ação desenfreada. Nesse contexto, quando o reboot de J.J. Abrams foi lançado em 2009, estava mais do que na hora de uma nova geração conhecer os mistérios do universo com as viagens da Enterprise. Os dois primeiros filmes de Abrams foram muito bons e conseguiram modernizar bastante os conceitos da série e, Star Trek: Sem Fronteiras talvez tenha conseguido ir além.

Quando a troca de direção para o terceiro filme foi anunciada, muitos fãs ficaram receosos, no entanto a entrada de Justin Lin propiciou uma abordagem diferente dos filmes de J.J., mas que presta uma homenagem a série clássica e respeita o que foi feito até o momento.

Lin é bem conhecido por seu trabalho na franquia Velozes e Furiosos e o cineasta conseguiu trazer toda a ação frenética da série de carros para os confins do espaço. As cenas de ação são muito bem filmadas e constituem um dos pontos altos do filme.

Outro diferencial do filme é a trama um pouco mais simples se comparada a dos anteriores, marcadas por constantes reviravoltas, que também apresenta um caráter mais episódico e descompromissado, remetendo mais a série de TV dos anos 60. Essa premissa mais simples é um dos maiores méritos do roteiro de Simon Pegg, que também interpreta Montgomery Scott e é um fã declarado de Star Trek. As homenagens, principalmente no que diz respeito a Leonard Nimoy, são belíssimas e bem inseridas dentro da narrativa.

Em questões visuais, o longa conservou muito do que se viu nos dois primeiros filmes, mas a aposta em maquiagens e mais efeitos práticos foi uma decisão extremamente acertada. A cena da destruição da Enterprise é digna de tocar o coração do fã mais frio. Entretanto, algumas cenas são demasiadamente escuras e chega a ser difícil compreender o que acontece, talvez isso se dê pelo prazo apertado para a conclusão do filme.

As interpretações estão excelentes e a adição da personagem Jaylah interpretada por Sofia Boutella é mais do que bem-vinda. O vilão Krall vivido por Idris Elba é convincente, entretanto, sua motivação dentro do futuro utópico de Star Trek soa um tanto estranha, mas ao mesmo tempo parece plausível.

Enquanto alguns filmes apenas apostam na trilha sonora como mais um elemento narrativo, Star Trek: Sem Fronteiras usa a música como uma das resoluções do roteiro, o que a torna uma solução elegante e extremamente empolgante.

Star Trek: Sem Fronteiras é de longe o melhor blockbuster do ano até aqui, que consegue ser tanto um filme para os trekkers, como um longa que está apto a alcançar todos os públicos nas viagens da Enterprise.

Cinema: Estreias da Semana – 01 de Setembro

A primeira semana do mês de setembro chega com diversos lançamentos nas telonas de todo o país.

A Califórnia Filmes apresenta o drama europeu “A Comunidade” com direção de Thomas Vinterberg. A renomada atriz brasileira Sonia Braga estrela o filme “Aquarius” com a distribuição da Vitrine Filmes e o jovem ator de Hollywood Jacob Tremblay, que vem conquistando plateias de todo o mundo, estrela junto com os atores Kate Bosworth e Thomas Jane o terror “O Sono da Morte“.

Uma das grandes estreias do ano, “Star Trek: Sem Fronteiras“, finalmente chega ao cinemas brasileiros com a direção de Justin Lin e com um elenco de primeira, que inclui Chris Pine, Zachary Quinto, Simon Pegg e Zoe Saldana. A Paris Filmes traz ao circuito a comédia romântica nacional “Um Namorado Para Minha Mulher” com os atores Ingrid Guimarães, Caco Ciocler, Domingos Montagner e Miá Mello.

Confira a seguir os lançamentos da semana:

145738.jpg-c_215_290_x-f_jpg-q_x-xxyxxA Comunidade

(Kollektivet) – DIN, HOL – 2016 – Drama – Duração: 11 min.

Sinopse: Na década de 1970, Erik (Ulrich Thomsen) e Anna (Trine Dyrholm) são um casal de acadêmicos cheio de sonhos. Junto com a filha, Freja, eles montam uma comuna em um elegante bairro de Copenhague para dividir a casa e viver em conjunto com outras pessoas. Querendo estar no centro da história e realizar o sonho de viver em grupo, eles realizam jantares, reuniões e festas. Levados pelo mesmo sonho, um caso de amor abala a pequena comunidade, fazendo com que esse grupo de sonhadores e idealistas acordem para a realidade.

Trailer:

Direção: Thomas Vinterberg

Elenco: Ulrich Thomsen, Trine Dyrholm, Lars Ranthe

Distribuidora: Califórnia Filmes

Classificação: 14 Anos

241687Aquarius

BRA, FR – 2016 – Drama – Duração: 141 min.

Sinopse: Clara (Sonia Braga) tem 65 anos, é jornalista aposentada, viúva e mãe de três adultos. Ela mora em um apartamento localizado na Av. Boa Viagem, no Recife, onde criou seus filhos e viveu boa parte de sua vida. Interessada em construir um novo prédio no espaço, os responsáveis por uma construtora conseguiram adquirir quase todos os apartamentos do prédio, menos o dela. Por mais que tenha deixado bem claro que não pretende vendê-lo, Clara sofre todo tipo de assédio e ameaça para que mude de ideia.

Trailer:

Direção: Kleber Mendonça Filho

Elenco: Sonia Braga, Maeve Jinkings, Irandhir Santos

Distribuidora: Vitrine Filmes

Classificação: 18 Anos

469877O Sono da Morte

(Before I Wake) – EUA – 2016 – Terror – Duração: 96 min.

Sinopse: Logo após perder o filho pequeno, o casal Jessie (Kate Bosworth) e Mark (Thomas Jane) aceita adotar Cody (Jacob Tremblay), um garoto da mesma idade. O filho adotivo se adapta bem à nova família, mas ele tem um problema: os seus sonhos se tornam realidade, e os pesadelos, especialmente, podem ser mortais. Quando Jessie e Mark investigam o passado do garoto, descobrem histórias sinistras.

 

Trailer:

Direção: Mike Flanagan

Elenco: Kate Bosworth, Thomas Jane, Jacob Tremblay

Distribuidora: Playarte

Classificação: 14 Anos

127123Star Trek – Sem Fronteiras

(Star Trek Beyond) – EUA – 2016 – Ficção – Duração: 122 min.

Sinopse: Após sofrerem com a ira de John Harrison (Benedict Cumberbatch), Kirk (Chris Pine), Spock (Zachary Quinto), Uhura (Zoe Saldana), McCoy (Karl Urban), Sulu (John Cho), Chekov (Anton Yelchin) e Scotty (Simon Pegg) retornam à Enterprise para uma nova e difícil aventura intergaláctica.

 

 

Trailer:

Direção: Justin Lin

Elenco: Chris Pine, Zachary Quinto, Simon Pegg, Zoe Saldana

Distribuidora: Paramount

Classificação: 12 Anos

namoradoparaminhamulher_1Um Namorado Para Minha Mulher

BRA – 2014 – Comédia Romântica – Duração: 106 min.

Sinopse: Cansado das reclamações da esposa, homem contrata um sedutor profissional para conquistá-la e tornar-se seu amante. Versão brasileira do argentino Um Namorado Para Minha Esposa (2008), dirigido por Juan Taratuto.

 

 

 

Trailer:

Direção: Julia Rezende

Elenco: Ingrid Guimarães, Caco Ciocler, Domingos Montagner, Miá Mello, Paulo Vilhena, Marcos Veras, Letícia Colin, Marcelo Laham, Paulinho Serra.

Distribuidora: Paris Filmes

Classificação: 12 Anos

Chris Hemsworth irá retornar para Star Trek 4

J.J. Abrams anunciou recentemente, o retorno de uma figura familiar a sequência de Star Trek : Sem Fronteiras. De acordo com a Variety, a Paramount Pictures confirmou a sequência, na qual Kirk irá cruzar o caminho de seu pai, ” um homem que ele nunca teve a chance de encontrar, mas de quem o legado o segue desde que nasceu. ”

Durante uma conferência de imprensa para o último lançamento da Paramount, Abrams foi perguntado a respeito de ideias para o próximo filme .

Sim, existem, e há uma coisa que estamos a pouco minutos de poder falar sobre. É incrivelmente excitante

Recentemente, um tweet de Scott Mantz para o Access Hollywood, confirmou notícias para lá de importantes.

J.J. Abrams acabou de me confirmar que o quarto filme de Star Trek irá trazer juntos Chris Pine e Chris Hemsworth (#SOCORRO)

Antes de atuar como Thor, Hemsworth estrelou na produção de Star Trek de 2009, como George Kirk, primeiro oficial da U.S.S. Kelvin, e sacrificou sua vida na batalha para garantir a sobrevivência de sua equipe. Sua morte nos primeiros minutos foi o que inspirou o Kirk de Chris Pine, a se juntar a Frota Estrelar.

Apesar de conseguirmos ouvir a voz de Hemsworth no filme de 2013, parece estar bem claro que George Kirk está morto na linha do tempo de Kelvin. Entretanto, a franquia nunca descartou viagens no tempo ou para um universo paralelo, e isso pode trazer de volta o antigo Kirk.

 

Dirigido por Justin Lin, Star Trek : Sem Fronteiras estreia dia 22 de julho, mundialmente.

Star Trek: Sem Fronteiras | Capitão Kirk e o vilão Krall ilustram os novos cartazes

Paramount Pictures divulgou dois novos cartazes de Star Trek: Sem Fronteiras. Veja na galeria abaixo o capitão Kirk (Chris Pine) e o vilão Krall (Idris Elba).

Na trama,  capitão Kirk (Chris Pine), Spock (Zachary Quinto), Uhura (Zoe Saldana), McCoy (Karl Urban), Sulu (John Cho), Chekov (Anton Yelchin) e Scotty (Simon Pegg) embarcam em uma missão envolvendo uma perigosa guerra intergaláctica. As novidades são Idris Elba como o vilão Krall e Sofia Boutella no papel de Jaylah.

Veja mais: Assista ao segundo e empolgante trailer de Star Trek: Sem Fronteiras

Com direção de Justin Lin, Star Trek: Sem Fronteiras estreia em 1º de setembro no Brasil. Pegg escreve roteiro ao lado de Doug Jung (da série Banshee). J.J. Abrams, diretor dos dois primeiros filmes da nova franquia, assume a produção.