Estamos, indubitavelmente, em uma era que a narrativa de single player tem desaparecido dos jogos e aberto espaço para o multiplayer online, sendo que a maioria dos casos não é muito bem-vindo. Ainda na quarta geração de videogames, o single player era fortíssimo e as narrativas possuíam muito mais tempo de vida, fazendo com que o jogador explorasse o mesmo jogo mais de uma vez para abrir a clássica “fase bônus“, enquanto o multiplayer era conhecido pela clássica tela dividida.

Aparentemente, alguém na indústria de videogames tem ideias visionárias sobre o futuro dos games.

Apesar de Ken Levine, o criador do famoso BioShock, não ter discutido absolutamente nenhum detalhe sobre seu novo game, dizendo apenas que será mundo aberto, Levine falou abertamente que “os jogadores querem mais experiência do que apenas 12 horas de jogo”.

“A narrativa single player de jogos AAA está começando a desaparecer. Jogos no estilo de BioShock não estão sendo mais feitos. A verdadeira razão disso é que eles são caros de fazer e os jogadores estão falando em alto e bom som que estão dispostos a gastar até 60 dólares em um produto, mas querem mais experiência do que apenas 12 horas de jogo, afinal, é muita grana para alguém gastar”

Segundo Levine a ideia de fazer um jogo diferente veio após o término de BioShock Infinite, quando a desenvolvedora pensou em jogos que poderiam ser repetidos e trouxessem novas experiências aos jogadores em cada replay.

“Começamos a pensar logo após finalizarmos BioShock Infinite. Pensamos em como poderíamos fazer o tipo de jogo que temos feito, mas de maneira que o jogador possa repeti-lo, seja extenso e ainda reaja de novas formas. Você pode fazer um jogo ser repetido inserindo novos meios de lidar com os problemas e deixando o público realmente ditar a experiência. O problema é que isso não é simples de resolver. E o modo de ter os jogadores interagindo continuamente é o mundo aberto, por isso o escolhemos”

Leia também: Não é FPS, não é Indie: o futuro dos jogos está no mundo aberto.

De fato, o mundo aberto tem ganhado grande foco com o poder da nova geração na mesa. Mais e mais jogos se empenham em produzir uma grande gama de conteúdo com continuidade em um mundo aberto, deixando que o jogador explore esse mundo por longas horas. Afinal, Skyrim e GTA V ainda são jogados. E, no final das contas, talvez não aja mesmo espaço para uma narrativa continua.

Fonte: Destructoid.

Comentários

Notícias relacionadas