Há muito tempo venho recebendo recomendações para ler Reconstruindo Amelia, de Kimberly McCreight, e ao ler a sinopse me vi obrigada a tentar conhecer o livro. Sou fã de tramas que envolvem assassinatos e os mistérios revelados a medida que se investiga o crime, revelando na maioria das vezes, um assassino improvável e inimaginável. Logo de cara é possível perceber que é exatamente isso que irá acontecer com a história de Amelia Baron, que obviamente não se matou e que escondia segredos pra lá de polêmicos.

 “Você conhece a pessoa que mais ama no mundo? Kate Baron achava que sim até receber a devastadora notícia de que Amelia, sua filha de 15 anos, cometeu suicídio pulando do telhado do colégio particular onde estudava. Poucos dias depois, entretanto, uma mensagem anônima em seu celular revela que a morte de sua filha talvez não tenha sido da maneira que as autoridades alegaram. Amelia pode ter sido assassinada? “

Advogada e mãe solteira de uma adolescente de 15 anos, Kate acredita ter criado sua filha de maneira aceitável, transformando-a em uma pessoa boa e decente. Quando recebe a ligação informando da suspensão de Amelia, ela dirige-se a escola se questionando o que poderia ter dado errado. Um atraso infeliz de mais de uma hora faz com que ela chegue em Grace Hall muito depois dos 20 minutos programados, sendo recebida por ambulâncias, bombeiros, policiais e um cordão de isolamento. No centro de tudo isso há um corpo coberto e uma pichação de “Perdão” escrita na parede. Ela tenta reconhecer as botas descobertas pelo pano, mas é apenas quando recebe a notícia de que é Amelia que seu mundo desaba.

Toda história possui dois lados, onde geralmente a verdade se encontra no meio deles. Kate e Amelia narram o livro em capítulos alternados, evidenciando os fatos ocorridos de maneiras distintas e mal interpretadas. Enquanto a mãe ouve versões de amigos e conhecidos, a filha nos conta o que realmente aconteceu, revelando as reais intenções de cada personagem. Kate recebe todo o apoio possível de seu chefe e seus colegas de trabalho, mas é nas pessoas que ela menos espera que ela encontra as respostas necessárias. Os últimos dias de Amelia passam como um filme na cabeça da mãe e cada vez mais ela tem certeza de que sua preciosa filha não optou por tirar a própria vida.

A maneira de organização escolhida por McCreight foi ótima, indo e voltando nas memórias da garota ao mesmo tempo que as mesmas eram recontadas no presente. Os assuntos abordados ao longo das páginas são extremamente sérios, mais do que presentes em nosso dia a dia na realidade. Assim como muitos jovens em sua idade, Amelia aprende a redescobrir sua sexualidade com Dylan, uma menina igualmente confusa com seus sentimentos e medos de ser julgada pela sociedade. A morte foi apenas um desfecho trágico para uma série de problemas que surgiram anteriormente, o que é bem destacado pela autora com a passagem dos capítulos. Quem escreveu a palavra na parede? Quem é o pai de Amelia? Quem é Ben, o amigo virtual da menina? Quem escreve o jornal de fofocas do colégio? Quem está mandando mensagens a Kate? Uma série de perguntas respondidas ao longo da trama e que terminam por se encaixar perfeitamente no final.

“Eu passara a vida toda pensando que não havia problema se minha mãe não estava em casa o tempo todo, pois, quando eu realmente precisasse dela, ela saberia e estaria ao meu lado. Mas agora aqui estava eu, precisando dela, e ela nem sequer percebera.”

Reconstruindo Amelia foi um livro que não apenas me surpreendeu, mas também se tornou extremamente especial por tudo aquilo que ele envolve. São verdadeiras lições ensinadas, e por mais que seja uma obra de ficção, são temáticas muito presentes em nosso cotidiano. Nos apaixonamos por Amelia a medida que nos identificamos com a menina, e tomamos um balde de água fria ao lembrar que ela está morta. O tempo todo me peguei torcendo para alguém encontrá-la escondida em algum lugar e revelar que não se passou de uma brincadeira de mau gosto…mas infelizmente isso não acontece.

As revelações são igualmente surpreendentes e encontro fundamentos nos mínimos detalhes, parecendo até mesmo se tratar em algo baseado em uma história real. Kimberly soube transformar algo fictício em concreto e crível, prendendo a atenção do leitor até o último minuto, literalmente. Confesso que ainda não sei responder se Amelia foi assassinada ou se tudo não passou de um acidente, mas não pense que isso é um fato negativo. Gosto de livros que me façam pensar e refletir na vida, e Reconstruindo Amelia definitivamente foi um exemplo disso.

“Virginia Woolf era tipo minha heroína. Não por ter entrado num rio com pedras nos bolsos – embora, em se tratando de formas de se matar, ela até que tivesse estilo -, mas porque era loucamente talentosa e fora quem quisera ser, por mais que o mundo lhe dissesse para ser diferente”

  • Muito Bom
4
Sending
User Review
0 (0 votes)

Comentários

Notícias relacionadas