N. foi lançado originalmente na série de 13 contos publicada por Stephen King no livro Ao Cair da Noite. N. é o único conto inédito e chamou a atenção da Marvel, que originalmente lançou mobsódios para a internet com dois nomes importantes envolvidos – Marc Guggenheim, conhecido pelas séries Arrow, The Flash e Legends of Tomorrow, mas que já trabalhou em quadrinhos como Blade, O Justiceiro, Homem-Aranha, Aquaman e X-Men. E Alex Maleev, conhecido por seu trabalho em Demolidor. O resultado foi satisfatório e a dupla retornou com a adaptação em quadrinhos do suspense psicológico.

A trama acompanha N., o paciente do psicanalista John Bonsaint. N., que tem seu nome revelado no quadrinho (algo que não acontece no livro) sofre de TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) devido a sete pedras que encontra durante seu hobbie de fotógrafo na cidade do Maine. O círculo de pedras ao estilo stonehenge ao olho nu são sete, mas na lente da câmera viram oito. Isso o atormenta e N. começa a querer contar tudo e, na sua mente 7 é ruim e 8 é bom. A partir daí, sua vida se torna doentia, porque tudo em sua volta precisa estar em círculos como as pedras e em números pares. De uma forma bem bizarra, N. acredita que toda essa obsessão é para o bem do mundo, pois há uma entidade demoníaca na espreita que mora no círculo do Maine e pode escapar se ele não tiver esse cuidado.

Mais que uma história de terror, N. é um conto psicológico e trata de um assunto bastante comum – o TOC. O quadrinho fisga o leitor e não esperem algo gore como a história promete. O foco da trama está na mente humana. Será que tudo aquilo é real ou vem da mente doentia de N.? E se o TOC fosse uma doença contagiosa e desencadeasse um grande caos? A dúvida desperta o psicanalista e todos que se envolvem nos eventos estranhos na cidade.

A adaptação da Marvel amplia o universo do conto e apresenta algumas diferenças em relação ao final. A dica é ler o conto presente em Ao Cair da Noite, e depois partir para o quadrinho em uma edição formidável lançada pela DarkSide Books no Brasil.

 

Comentários

Notícias relacionadas