Em A Grande Aposta, Adam McKay foi habilidoso em usar todas as ferramentas à sua disposição para entreter o público com uma história real sobre um momento crítico americano. A história recente dos EUA pode ser classificada como uma comédia de humor negro, e essa visão do cineasta se mantém em Vice, longa sobre  Dick Cheney , figura poderosa durante o governo Bush.

A  habilidade de McKay em tratar de assuntos complexos tornando-os fáceis de compreender é o grande triunfo do longa, capaz de alcançar aqueles (americanos ou não) que fizeram vista grossa nos anos 2000. Há a liberdade criativa, mas fato é que muita coisa ali realmente aconteceu e continua vigente agora sob o governo Trump.

O filme

A trama acompanha a origem e ascensão de Dick Cheney (Christian Bale), uma figura notoriamente reservada e privada. Essa discrição, a voz sempre cadenciada e pausada, o favorece a se tornar um grande manipulador, operando nas sombras, afastado dos olhos do público e, portanto, do escrutínio público. Antes uma figura alegórica, a vice-presidência ganhou outro patamar após sua posse, fazendo do presidente George W. Bush quase como uma marionete.  Através das ações de Cheney, ele reformulou o mundo e o partido republicano.

Poder americano

Adam McKay faz  de Vice um conto divertido, mas ao mesmo tempo condenatório do poder americano. Atuando longe dos holofotes, o governo Bush trouxe consequências irreparáveis. McKay não esconde seu descontentamento e posicionamento político. A figura de Dick Cheney em algumas cenas se torna folclórica, mas talvez seja essa a vontade dele. Ficar gravado na história americana para o bem ou para o mal.

Christian Bale/Elenco

Já se tornando um parceiro de Adam McKay, Christian Bale desempenha seu trabalho mais sublime. Mais do que engordar 20 quilos, algo já normal para o ator camaleão, Bale entrou de cabeça na mente de Cheney. Comparando as entrevistas do vice presidente e a atuação do ator, é como se estivesse vendo a mesma pessoa. O ator foi sagaz em perceber que Cheney não era nenhum intelectual, está longe disso. O vice soube habilmente mover as peças do jogo político para seus próprios fins. Em seguida, exerceu o poder que ele adquiriu.

Indicado ao Oscar de Melhor Ator, a atuação de Bale supera os outros indicados. Só uma tremenda zebra tira o prêmio do ator britânico.

Uma pena que o restante do elenco não atingiu o mesmo nível. Amy Adams sempre competente, não possui tanto brilho como Lynne Cheney. Sam Rockwell está muito caricato como George W. Bush. McKay o transforma em um bobalhão, não muito longe da realidade. Mas, passaram um pouco do ponto. Outro nomes importantes e conhecidos dos filmes de McKay participam como Steve Carell no papel de Donald Rumsfeld, grande aliado na vida de Cheney.

O que achamos?

Vice é um retrato dos anos 2000 que ficou debaixo do tapete. Adam McKay refresca a memória de forma ousada, divertida e crítica em um longa que navega entre o histórico e o mítico. Se você esteve boiando durante o governo Bush, aqui terá uma noção das consequências políticas que continuam se relacionando com o presente.

4

Ótimo

Vice é um retrato dos anos 2000 que ficou debaixo do tapete. Adam McKay refresca a memória de forma ousada, divertida e crítica em um longa que navega entre o histórico e o mítico. Se você esteve boiando durante o governo Bush, aqui terá uma noção das consequências políticas que continuam se relacionando com o presente.

Comentários

Notícias relacionadas