Minha Vida em Marte

2018 foi um ano especial para o cinema.Tivemos estreias há muito aguardadas, outras que surpreenderam e ainda aquelas que decepcionaram. Mas pouco se falou das produções nacionais, visto que tendemos a tendência de apenas valorizar o que vem de fora. E uma das grandes produções brasileiras chegou aos cinemas no final do ano, mais especificamente no dia 25 de dezembro. Embora não seja meu tipo favorito de filme, é impossível assistir a Minha Vida em Marte sem se divertir.

Paulo Gustavo e Mônica Martelli protagonizam o longa e lhe dão forma. A história toda gira ao redor do casal de amigos, e nas cenas em que eles não aparecem, já ansiamos pelo retorno. Essa não é a primeira produção em que Paulo e Mônica atuam, e caso você conheça alguma, sabe o estilo de filme que lhe espera. Minha Vida em Marte foi feito para provocar gargalhadas em que o assiste, daquelas que dói a bochecha. E quanto a isso, certamente não deixa a desejar.

O Filme

A história de Minha Vida em Marte é centralizada na personagem de Mônica Martelli. Fernanda decidiu começar uma vida ao lado de Tom. Como todo início de relacionamento, o casal estava com a libido a flor da pele, o romance crescendo exponencialmente e os pequenos problemas parecendo irrisórios. Com a chegada da filha Joana, um pouco da paixão esfriou, mas ainda nada que prejudicasse a relação. No momento em que o filme se passa, porém, anos após o início do casamento, só o que restou foi o amor…pela filha.

Com medo de ficar solteira após os quarenta anos, Fernanda resolve tentar de tudo para salvar seu relacionamento. De visitas a um sexy shop a viagens românticas para a serra, ela busca reascender a paixão que um dia existiu entre ela e Tom. Quando seu mundo vira de cabeça para baixo, Fernanda recorre ao amigo e colega de trabalho, Anibal, para seguir em frente. E é então que começa a diversão que dá forma a Minha Vida em Marte.

Minha Vida em Marte
Reprodução

Minha Vida em Marte

O longa é uma adaptação da famosa peça teatral brasileira de mesmo nome. Além disso, a história de Fernanda já começou a ser contada em uma outra produção de 2014: Os Homens São de Marte… E É Pra Lá Que Eu Vou. Enquanto no primeiro filme o personagem de Paulo Gustavo apenas atuou em determinados momentos, nesse segundo ele ganha bastante evidência. Anibal é hilário, e Paulo mostra tamanho conforto no desenvolvimento do personagem. A naturalidade das piadas é tanta, que chegamos a nos perguntar quando começa a atuação.

Dirigido por Susana Garcia, Minha Vida em Marte traz o mesmo estilo de filme de seu antecessor. Com uma história recheada de clichês, o longa depende das tiradas geniais de Paulo Gustavo e Mônica Martelli. Mas não podemos esquecer que estamos diante de um filme de comédia, onde as risadas do público são o principal objetivo.

O filme é dividido em esquetes, ou seja situações desenvolvidas individualmente, sem uma ligação específica entre elas. A história é continua, mas cada cena é feita de uma maneira particular, com seu início, meio e fim. Tal divisão possibilita um maior espaço de destaque para os personagens, que conseguem encaixar suas piadas em meio ao roteiro central.

Minha Vida em Marte
Reprodução

O Que Achamos?

Minha Vida em Marte é extremamente divertido. O público mal tem tempo de se recuperar de uma série de risadas quando outra já chega O longa cresce em cima de seus dois protagonistas, ao ponto de mascarar todas as outras aparições. Os  personagens de Marcos Palmeira e Ricardo Pereira, por exemplo, são meros figurantes diante de Paulo Gustavo e Mônica Martelli. E não podemos crucifixá-los. Ambos se ajustam ao roteiro e marcam participação nos momentos necessários.

  • Bom
3

Bom

Minha Vida em Marte reflete o ótimo elenco, principalmente seus dois protagonistas. Paulo Gustavo e Mônica Martelli dão vida ao roteiro clichê e o resultado é algo extremamente divertido.

Comentários

Notícias relacionadas