Semana passada, Lady Gaga frustrou os fãs brasileiros ao cancelar sua vinda ao Rock in Rio, onde se apresentaria no dia 15. A cantora havia revelado publicamente que sofre de fibromialgia, uma doença crônica que causa dores intermitentes pelo corpo. Com toda a turnê cancelada e sem saber quando retorna aos palcos, Gaga se mostra alguém bem diferente da intocável figura pública criada nos últimos 10 anos e que a manteve no topo como uma deusa pop.

Com o documentário Gaga: Five Foot Two, que estreia mundialmente hoje (22) na Netflix, acompanhamos a vida de Stefani Germanotta, uma jovem de 30 anos que tenta conciliar sua vida pessoal e profissional. Dirigido por Chris Moukarbel, o longa acompanha a gravação de Joanne, o álbum mais recente da cantora, a descoberta da fibromialgia e a icônica apresentação no intervalo do Super Bowl deste ano.

O longa tem momentos importantes como a busca de Lady Gaga em se redescobrir não apenas musicalmente, mas como uma mulher que tenta se livrar das armadilhas que a mídia cria quando se é um artista. Lady Gaga ficou taxada pelos cabelos e roupas extravagantes como o polêmico traje de carne. Durante uma conversa entre amigos, a cantora expõe que criou uma personagem, porque acreditava que a Stefani (seu nome de batismo) não seria atrativa aos olhos do público. E, realmente, tem nexo. Gaga consegue sair em seu carro de capota aberta, andar em lojas sem ser reconhecida. Tudo porque está sem maquiagem e os vestidos chamativos.

Com Joanne, Lady Gaga está despida de todos esses apetrechos, apostando apenas na parte musical. Isso gerou uma controvérsia, porque grande parte querem a Gaga de The Fame e Artpop. A edição do documentário faz um trabalho eficiente em mostrar esse duelo interno da cantora. “Será que as pessoas vão ficar desapontadas com a falta de perucas?”, diz ela antes de gravar o clipe Perfect Illusion. É nos braços de uma emocionada fã, que ela encontra seu refúgio. O diálogo entre as duas é deveras tocante. E com os fãs que a artista busca forças para superar seus medos, como as fortes dores no corpo nos últimos cinco anos.

Ao final, com a icônica apresentação no Super Bowl, Lady Gaga deixa a lição de que todos estamos por superar nossos limites. Mesmo com alguns momentos desnecessários como os bastidores da gravação da série American Horror Story (nada de útil é tirado ali), Gaga: Five Foot Two tem momentos interessantes e revela um lado intimista e ressentido da artista pop.

 

3

Bom

Ao final, com a icônica apresentação no Super Bowl, Lady Gaga deixa a lição de que todos estamos por superar nossos limites. Mesmo com alguns momentos desnecessários como os bastidores da gravação da série American Horror Story (nada de útil é tirado ali), Gaga: Five Foot Two tem momentos interessantes e revela um lado intimista e ressentido da artista pop. 

Comentários

Notícias relacionadas