O pai do survival horror faz aniversário: 20 anos de Resident Evil

Tenho memórias bem frágeis quando se trata sobre Resident Evil porque era um moleque na época em que o game chegou aos consoles. Na verdade, não tinha nem mesmo nascido. E, com a situação econômica da época (as mudanças presidenciais na entrada do milênio) era difícil financeiramente adquirir um videogame, especialmente o PlayStation 1, sonho de todos.

Mas lá estavam, quando tinha 4 ou 5 anos, meus irmãos jogando Resident Evil 2.

De fato, é o título que mais recordo em minha infância. Depois vem o Resident Evil 3: Nemesis. Lembro de estar comendo pipoca ao lado dos meus dois irmãos mais velhos, ainda um pivete, e eles percorrendo o cenário com Leon e brigando para ver quem jogaria depois. Afinal, os clássicos da franquia não tinham vidas e, caso você morresse, continuava na última gravação, então parecia meio cronometrado quem jogava e quem ficava lendo o detonado. Sim, o jogo era difícil! Depois disso, lembro ainda de jogar o Resident Evil 3: Nemesis com meu irmão mais velho. Eu iria ler o detonado e ele jogava porque, francamente, estava borrando as calças.

Mais tarde, meu contato de jogar para valer veio mesmo com Resident Evil 4 em 2006. Tinha uma lan house perto da minha casa, quase numa esquina, em que o Fabiano (dono) cobrava R$ 2,00 a hora. Estava lá minha pessoa, todos os dias, sendo o único cliente e jogando a tarde inteira. Dois anos depois adquiri meu próprio PlayStation 2 e zerei Resident Evil 4 milhares de vezes, apresentando o jogo aos meus amigos e até meu sobrinho.

O que este relato tem a ver?

Hoje, dia 22 de março de 2016, a franquia Resident Evil completa seus 20 anos de idade. É inegável dizer a importância trazida a todos os gêneros, inovando primeiramente como survival horror. Se não fosse por RE, não teríamos tido clássicos como Galerians, Dino Crisis e até Alone in the Dark. Mais tarde, ainda sob supervisão de seu criador, Shinji Mikami, a franquia inovou de novo com RE 4. Aquela ação frenética com jogabilidade e gráficos superior para a época tornaram o game um clássico contemporâneo e o jogo da saga a receber mais ports para os consoles (RE4 foi praticamente lançado para todos os videogames existentes, até mesmo celulares) e deslanchou o personagem (Leon) e o chavão mais famoso da série: LEON, HELP! LEON, HELP!

Santa Ashley!

Resident Evil é um marco no mundo dos jogos. Um feito de valor imenso, podendo ser comparado a titãs como Metal Gear Solid (cuja inovação é mais para o lado cinematográfico) até clássicos como Mario. Embora a franquia tenha cometido suicídio criativo, tentando replicar seus jogos repetitivamente e reviver as glórias do passado, jogar os antigos ainda bate aquele sentimento bom. O gostinho da infância na tarde de domingo, comendo pipoca com os irmãos mais velhos e se borrando de medo quando um corvo quebrava a janela. Toda vez que está noite e falta luz, Resident Evil nos faz lembrar o icônico barulho de uma porta abrindo.

Resident Evil não somente deu vida a um gênero e estabeleceu o que é um jogo de verdade, mas também criou uma nação de fãs e jogadores eternamente gratos por todos aqueles sustos nas noites chuvosas.

Os melhores jogos para PlayStation de todos os tempos

O mês de setembro certamente esta sendo um mês especial, e não apenas para os gamers da “nação PlayStation“, mas também para o mundo de games em geral. No dia 24 temos o Brasil Game Day e de presente o portal codigosdesconto.com.br oferece vários descontos de até 60% para diversos games.

Setembro também marcou os 20 anos do PlayStation na América do Norte e os 21 anos da marca. É uma perspectiva interessante notar o quanto se está ficando velho. Geralmente, não percebemos o tempo passar até que ele realmente se vai. Então abrimos aquele sótão empoeirado das memórias de infância – ou literalmente abrimos o sótão empoeirado de nossa casa – e encontramos o primeiro PlayStation lá, olhando-nos com a convicção de ser jogado. Hora de jogar então.

Certamente, independente da sua idade, você foi marcado por algum jogo da era PlayStation 1. Dificilmente algum gamer passou por essa geração sem ter vivido insanas emoções com a famosa exploradora Lara Croft, ou derrotado Neo Cortex ou até mesmo restaurado a vida de diversos dragões (entendeu a referência?). Notoriamente, o PlayStation 1 foi um dos consoles mais importantes no mundo de games depois dos pioneiros no ramo e com certeza um dos mais importantes da quinta geração. Enfim, pensando nisso, o blog oficial da PlayStation fez uma das perguntas mais difíceis que poderia ser feita para um gamer: qual é o melhor jogo do PlayStation 1?

Em um único momento, são tantos jogos que torna-se impossível escolher o melhor – ou um favorito – e bate aquela imensa saudade de sair da escola, correr para o videogame e jogar um split-screen com o melhor amigo. Quem nunca? De qualquer forma, os quatro melhores jogos foram escolhido. E os vencedores são:

1º Lugar – Metal Gear Solid

mgs 1

 

Provavelmente merecedor da posição, Metal Gear Solid marcou era no mundo dos jogos e continua a marcar. A famosa franquia criada por Hideo Kojima em 1987, intitulada originalmente Metal Gear e lançada para o MSX, ganhou continuação no PS1 e inovou em todos os quesitos: gráfico, jogabilidade e era o jogo mais cinematográfico de todos os tempos, trazendo a trama mais complexa e intrincada já vista. Não foi à toa que Metal Gear Solid conseguiu o raro feito de abocanhar uma nota 10 da IGN e se consagrar no mundo dos games, recebendo diversos produtos e inúmeras continuações, sendo a mais recente o final da franquia, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain.

2º Lugar – Final Fantasy VII

finalfantasy

Final Fantasy VII foi um percursor em seu próprio gênero. O jogou trouxe consigo uma legião de fãs até então inexistente para a franquia e inovou em muitos quesitos básicos, ainda sendo aclamado pelo público e pela crítica. O jogo e seus personagens se tornaram tão especiais que Final Fantasy VII é considerado o melhor jogo entre todos da saga e está prestes a receber um remake feito pela equipe original.

3º Lugar – Crash Bandicoot

crash

Crash Bandicoot marcou a era do PS1 de modo que nenhum outro jogo e personagem jamais conseguiu fazer novamente. É claro, em matéria da Naughty Dog, Nathan Drake e alguns outros quase atingiram a popularidade da raposa maluca. No entanto, Crash tinha algo especial, insano  e viciante em sua jogabilidade simples e história comum. O jogo foi tão bem sucedido que Crash tornou-se um dos mascotes mais famoso do mundo dos games, ganhando notoriedade ao lado de Mario e Sonic.

4º Lugar – Crash Bandicoot 3: Warped

crashbandicoot

Para fechar, a Naughty Dog conseguiu duas posições na briga dos melhores jogos do PS1. O feito alcançado com Crash Bandicoot foi estrondoso e o jogou ganhou mais três sequências no console: Crash Bandicoot 2, Crash Bandicoot 3: Warped e Crash Bandicoot Team Racing. Entre as sequências, o jogo de kart é aclamado até hoje e Warped conseguiu melhorar a jogabilidade, gráfico e alma do jogo sem perder a essência que o tornou tão especial desde o inicio. Obviamente apenas um trabalho da Naughty Dog conseguiria esse feito, pois a franquia foi vendida no inicio da sexta geração de games e perdeu sua grande popularidade.

Talvez, entre tantos jogos espetaculares da quinta geração de consoles, esses foram aqueles que realmente se destacaram. Ou talvez existam outros por aí que deveriam estar na lista. O que você acha, leitor? Qual é o seu jogo favorito e qual seria o merecedor da quinta posição?