Ler é Bom, Vai | O melhor de John Green e David Levithan está presente em Will & Will – um nome, um destino

John Green ficou conhecido no mundo inteiro como o autor de A Culpa é das Estrelas e Cidades de Papel, duas de suas obras que tiveram adaptações cinematográficas. Muitos não sabem, porém, que ele é o autor de livros igualmente maravilhosos e que apenas não tiveram seus direitos comprados – ainda. Um deles é Will & Will – um nome, um destino, escrito em parceria com outro de meus autores favoritos, David Levithan, e publicado pelo Grupo Editorial Record. A mensagem dessa produção deveria ser propagada e espalhada pelos quatro cantos do mundo. O livro aborda temáticas ainda incrustadas na sociedade como homossexualismo e preconceito, então se você ainda vive no século passado e tem problemas com isso, leia o livro de lado e tente desfazer sua mentalidade arcaica.

Como o título mesmo já diz, o livro conta a história de dois garotos com o mesmo nome e que tem apenas isso como semelhança. O destino resolve entrar em ação e os dois se conhecem em uma sex shop em Chicago após decepções na vida de cada um. Will Grayson vive na cidade e tem como melhores amigos Jane e Tiny, um jovem homossexual assumido e preocupado apenas em aproveitar as oportunidades da vida. O outro Will Grayson mora com a mãe, em um estado evoluído de depressão e tendo desistido da felicidade da vida e do amor, após sua amiga Maura fingir ser seu namorado virtual. Será por meio das forças de seu “xará” e de uma pequena ajuda e Tiny que ele encontrará uma razão para voltar a sorrir novamente.

“Quando as coisas se quebram, não é o ato de quebrar em si que impede que elas se refaçam. É porque um pedacinho se perde – as duas bordas que restam não se encaixam, mesmo que queiram. A forma inteira mudou.”

Um dos pontos chaves do trabalho de Green e Levithan é a naturalidade como tudo é abordado, sem enfoque no fato de que fulano é gay ou ciclano é hétero; todos são pessoas e tratados como tal, independente de sua opção sexual…assim como a sociedade deveria fazer. Os Wills contam sua história de maneira alternada – o que no início pode parecer confuso -, e nos encantam de sua própria maneira particular assim como os responsáveis por narrar suas vidas. Os fãs de cada autor irão identificar seus traços nas páginas e um corrobora com o outro para tornar uma obra maravilhosa de se ler.

Will & Will – um nome, um destino é daqueles livros que acabamos em uma tarde no sofá tomando uma xícara de chá, com sua trama envolvente e 350 páginas que voam em frente aos olhos. Comédia, romance, drama e uma dose necessária de moral se misturam e a dupla de autores sabe exatamente como encaixá-los no enredo para que se torne algo fluido e gostoso de ler. Além disso, a empatia que a história nos proporciona para com os personagens é importante para mostrar a quem quer que esteja lendo que infelizmente, a aceitação e compreensão por parte dos colegas de Will estão longe de se tornarem algo recorrente em nosso dia à dia.

A grande lição que John Green e David Levithan nos dão é que nada importa quando o assunto é amor, amadurecimento e aceitação. Ninguém é obrigado a ser igual a outra pessoa, mas sim a aceitá-la e respeitá-la acima de qualquer coisa. Existem milhões de Wills espalhados pelo mundo e assim como os dois personagens do livro, estão mesclados na sociedade e muitas vezes não paramos para perceber, apenas julgar.

“Sua vida é essa mesma. E, sim, ela é uma merda. A vida costuma ser assim. Portanto, se quer que as coisas mudem, não precisa trocar de vida. Você precisa tirar a bunda da cadeira.

 

Veja o segundo trailer da adaptação Cidades de Papel

A 20th Century Fox divulgou o segundo trailer de Cidades de Papel, adaptação ao cinema do romance de John Green (o mesmo autor de A Culpa é das Estrelas). Veja no player abaixo!

A trama é centrada em Quentin (Nat Wolff) e em sua enigmática vizinha, Margo (Cara Delevingne), que gostava tanto de mistérios, que acabou se tornando um. Depois de levá-lo a uma noite de aventuras pela cidade, Margo desaparece, deixando para trás pistas para Quentin decifrar. A busca coloca Quentin e seus amigos em uma jornada eletrizante. Para encontrá-la, Quentin deve entender o verdadeiro significado de amizade – e de amor.

Austin Abrams, Halston Sage e Justice Smith também estão no elenco.

Cidades de Papel estreia em 09 de julho. Jake Schreier dirige a partir do roteiro de Scott Neustadter e Michael H. Weber.

Assista ao novo comercial de Cidades de Papel

A 20th Century Fox divulgou mais um comercial de Cidades de Papel, adaptação ao cinema do romance de John Green (o mesmo autor de A Culpa é das Estrelas). Veja no player abaixo!

Na trama, Quentin Jacobsen (Nat Wolff) tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman (Cara Delevingne). Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo é agora um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele achava que conhecia.

Austin Abrams, Halston Sage e Justice Smith também estão no elenco.

Cidades de Papel estreia em 24 de julho. Jake Schreier dirige a partir do roteiro de Scott Neustadter e Michael H. Weber.

[iframe id=”https://www.youtube.com/embed/WikU5oIkL8c” align=”center”]

Based On | Cidades de Papel, o que esperar?

Depois do boom de A Culpa É das Estrelas, John Green virou o mais querido dos autores – e com isso seus títulos anteriores também alcançaram e permaneceram por meses no topo da lista dos mais vendidos.

Cidades de Papel, a segunda obra adaptada que chegará aos cinemas, é um título contraditório – a maioria dos títulos do Green são amados, sem questionamentos, mas esse em particular parece ser um divisor de águas: há aqueles que adoram e há aqueles que não encontraram, ainda, um sentido na obra toda. Particularmente, é meu livro predileto do autor, por acreditar que ele, ao escrever, conseguiu alcançar com maestria o que pretendia. O livro é muito engraçado e arranca boas risadas, sem precisar de apelações. E fazer graça visual (séries, filmes) é até fácil perto do resto, mas conseguir manter a piada em letrinhas miúdas de um leitor que já está há horas esperando pelo desfecho de Margo, é um trabalho e tanto.

E é exatamente isso que deixa a adaptação cinematográfica duvidosa. Será que a produção conseguirá manter a mesma linha leve, divertida e engraçada do enredo do livro? Ao longo do livro os melhores amigos de Quentin (Q) e as situações pelas quais eles passam juntos são uma peça chave para manter a leitora de maneira fácil, sem querer largar o livro e ir dar uma espiadinha na novela das nove ou na geladeira.

Pelo trailer é possível ver que o começo do enredo é muito, se não totalmente, fiel ao original. Pequenas grandes alterações com o decorrer do roteiro do ponto X em que Margo some para o final é que está colocando uma pulga atrás da orelha.

(SPOILER) Quem leu o livro deve lembrar que a aventura na estrada em busca de Margo rola nos quarenta e cinco do último tempo e pelo trailer parece que não é bem isso que vai rolar. Como leitora apaixonada por Cidades de Papel, confesso que senti falta de algumas becas e achei a adesão de uma personagem a trama, desnecessária.

A Culpa É das Estrelas foi uma das adaptações mais fiéis já feitas e para isso contamos com o monitoramento de John Green durante as filmagens; o mesmo aconteceu em Cidades de Papel e basta esperar para que saia um bom resultado. Mesmo que, claro, não possamos esperar ACEDE 2.

Provavelmente uma expectativa moderada vá nos fazer sair mais satisfeitos da sala de cinema.

Cidades de Papel tem estreia prevista para Julho desse ano.

[youtube id=”efdWb_9h6aE” align=”center” autoplay=”no”]

Veja o primeiro clipe de Cidades de Papel

Durante o MTV Movie Awards 2015 foi exibido o primeiro clipe de Cidades de Papel, adaptação ao cinema do romance de John Green (o mesmo autor de A Culpa é das Estrelas). Veja no player abaixo!

Na trama, Quentin Jacobsen (Nat Wolff) tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman (Cara Delevingne). Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo é agora um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele achava que conhecia.

Austin Abrams, Halston Sage e Justice Smith também estão no elenco.

Cidades de Papel estreia em 24 de julho. Jake Schreier dirige a partir do roteiro de Scott Neustadter e Michael H. Weber.

Os próximos queridinhos literários | Parte I

Agora que o fervor de A culpa é das estrelas e Cinquenta tons de cinza começou a esfriar, é hora de sair à caça dos novos “queridinhos da galera”. Dos sempre populares young adults à ficções “mais adultas”, juntei uma lista de nove livros que você deve ler ou ao menos saber sobre nos próximos meses e aqui vai a primeira parte!

capa_mentirosos8. Mentirosos (We were liars) – E. Lockhart
“Os Sinclair são uma família rica e renomada, que se recusa a admitir que está em decadência e se agarra a todo custo às tradições. Assim, todo ano eles passam as férias de verão numa ilha particular. Cadence — neta primogênita e principal herdeira —, seus primos Johnny e Mirren e o amigo Gat são inseparáveis desde pequenos, e juntos formam um grupo chamado Mentirosos. Cadence admira Gat por suas convicções políticas e, conforme os anos passam, a amizade com aquele garoto intenso evolui para algo mais. Mas tudo desmorona durante o verão de seus quinze anos, quando Cadence sofre um estranho acidente. Ela passa os próximos dois anos em um período conturbado, com amnésia, depressão, fortes dores de cabeça e muitos analgésicos. Toda a família a trata com extremo cuidado e se recusa a dar mais detalhes sobre o ocorrido… até que Cadence finalmente volta à ilha para juntar as lembranças do que realmente aconteceu.”

O suspense de Lockhart chegou às livrarias brasileiras já no final do ano passado, pelo selo SEGUINTE da Companhia das Letras. Para quem gosta do estilo Gossip Girl e Pretty Little Liars, Mentirosos é o ‘must-have’ do semestre e, particularmente, tem tudo para virar um seriado, agora que os também “xodós” jovens da tevê estão com data de ida marcada.

Na saraiva: R$ 16,20
Livraria Cultura: R$ 17,90

 

ArquivoExibir7. QUALQUER TÍTULO DA RAINBOW ROWELL

Talvez seja uma opinião pessoal um forte, mas todos os títulos já publicados pela autora (Eleanor&Park, Fangirl, Anexos, Ligações) são sucessos garantidos. A aceitação do público foi tão grande que tivemos três títulos publicados em um curto – muito curto – intervalo de tempo pela editora representante brasileira Nova Conceito. As capas são lindas, as histórias são divertidas ao mesmo tempo que abordam assuntos importantes como aceitação e família e conseguem agradar leitores dos quinze aos vinte e poucos anos sem problemas. Se você quiser acertar o título mais atraente de cara da Rowell pra você, indico: Eleanor&Park para quem não chegou na faculdade ainda, Fangirl para quem está saindo da barra da saia dos pais, Anexos para quem vai encarar a vida adulta e Ligações pra quem quer refletir sobre formar família e desejar fazer algumas coisas outra vez. Mas, no fim, LEIAM TODOS!
ps: Fangirl é o livro que conta a vida de toda ‘bookaholic’.

Na Saraiva: de R$ 25,90 à R$ 31,90
Amazon: de R$ 22,41 à R$ 30,31
(lembrando que acima de R$69 o frete é GRÁTIS)

all_the_light_doerr6. Toda luz que não podemos ver (All the light we cannot see) – Anthony Doerr
“Marie-Laure vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é o chaveiro responsável por cuidar de milhares de fechaduras. Quando a menina fica cega, aos seis anos, o pai constrói uma maquete em miniatura do bairro onde moram para que ela seja capaz de memorizar os caminhos. Na ocupação nazista em Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo o que talvez seja o mais valioso tesouro do museu. Em uma região de minas na Alemanha, o órfão Werner cresce com a irmã mais nova, encantado pelo rádio que certo dia encontram em uma pilha de lixo. Com a prática, acaba se tornando especialista no aparelho, talento que lhe vale uma vaga em uma escola nazista e, logo depois, uma missão especial: descobrir a fonte das transmissões de rádio responsáveis pela chegada dos Aliados na Normandia. Cada vez mais consciente dos custos humanos de seu trabalho, o rapaz é enviado então para Saint-Malo, onde seu caminho cruza o de Marie-Laure, enquanto ambos tentam sobreviver à Segunda Guerra Mundial.”

Fazia algum tempo que não encontrava um livro que me trouxesse de volta aquela sensação de estar com um A menina que roubava livros ou Guardião de memórias em mãos. O lançamento da editora Intrínseca é o quinto livro mais vendido de ficção pelo The New York Times e o jornal também o classificou um dos melhores livros de 2014. Você ouvirá falar de um filme baseado nele, não há dúvidas.

Nas livrarias o preço médio é de R$39,90.

myheart_capa5. My Heart and Other Black Holes – Jasmine Warga
“Roman e Aysel se conhecem em um site chamado ‘Suicide Partners’, para pessoas que planejam acabar com suas vidas, mas não querem fazer isso sozinhos. Juntos eles planejam suas mortes, só que durante o tempo que passam juntos encontram uma ou duas razões para continuarem vivos apesar de tudo. A questão é se isso será suficiente e por quanto tempo.”

O livro não tem previsão de lançamento no Brasil, mas é certeza de que no máximo até o começo do segundo semestre estará chegando aqui, já que aborda os temas das obras que estão sendo selecionadas pelas editoras brasileiras: bipolaridade, depressão e suicídio. O livro promete ter uma narrativa sensível e que prende o leitor pra próxima página, seguindo o estilo de As vantagens de ser invisível, que virou sinônimo de “indique um livro”.

por lugares incriveis_capa4. Por Lugares Incríveis (All the bright places) – Jennifer Niven
“Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, a garota se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família. Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.”

John Green é o ‘the big boss’ da literatura juvenil desde A culpa é das estrelas e parecia que ninguém poderia chegar perto dele ou de um dos seus títulos, mas então apareceu Jennifer Niven e ela foi digna de ser comparada a ele. E isso já diz muito sobre. Por Lugares Incríveis é da SEGUINTE e foi um ponta pé inicial para 2015; em geral, todos que leem se apaixonam. A história é uma boa mistura entre Quem é você Alasca? e A culpa é das estrelas. Você vai conseguir boas quotes para coleção.

Na Livraria da Folha: R$ 19,20
Saraiva: R$ 19,86

O problema das pessoas é que elas esquecem que na maior parte do tempo o que importa são as pequenas coisas. Todo mundo está tão ocupado no “lugar de esperar”p. 134

 

Assista ao primeiro trailer de Cidades de Papel

A 20th Century Fox revelou o primeiro trailer de Cidades de Papel, adaptação ao cinema do romance de John Green (o mesmo autor de A Culpa é das Estrelas). Veja no player abaixo!

Na trama, Quentin Jacobsen (Nat Wolff) tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman (Cara Delevingne). Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo é agora um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele achava que conhecia.

Austin Abrams, Halston Sage e Justice Smith também estão no elenco.

Cidades de Papel estreia em 24 de julho. Jake Schreier dirige a partir do roteiro de Scott Neustadter e Michael H. Weber.

Veja o primeiro cartaz da adaptação Cidades de Papel

A 20th Century Fox revelou o primeiro cartaz de Cidades de Papel, adaptação ao cinema do romance de John Green (o mesmo autor de A Culpa é das Estrelas). Veja na galeria abaixo os protagonistas Nat Wolff e Cara Delevingne!

Na trama, Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo é agora um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele achava que conhecia.

Austin Abrams, Halston Sage e Justice Smith também estão no elenco.

Cidades de Papel estreia em 24 de julho. Jake Schreier dirige a partir do roteiro de Scott Neustadter e Michael H. Weber.