Gotham City Sirens | Vilãs da DC ganharão filme com direção de David Ayer

Como já anunciado anteriormente, a vilã Arlequina personagem do filme Esquadrão Suicida ganhará um novo longa.

Segundo o THP, a Warner Bros. anunciou que o título do filme será Gotham City Sirens e trará novamente o diretor David Ayer (Esquadrão Suicida) juntamente com Margot Robbie e sua psicótica Arlequina.

Gotham City Sirens é o nome da série de quadrinhos estrelada por Arlequina, Mulher-Gato e Hera Venenosa (namorada de Arlequina) e foi publicada entre Junho de 2009 e Agosto de 2011.

O filme não tem data de estreia.

 

Filme da Arlequina contrata roteirista

Segundo informações do TheWrap, a Warner Bros. Pictures contratou Christina Hodson (Refém do Medo) para escrever o roteiro do filme solo da Arlequina. Hodson também foi anunciada como roteirista de Bumblebee, derivado da franquia Transformers.

Intitulado até o momento de Birds of Prey, o filme irá apresentar outras personagens femininas do universo DC Comics.

Além de produzir o filme, Margot Robbie vai reprisar o papel da vilã apresentada em Esquadrão Suicida.

Arlequina | Personagem vai se encontrar com o Lobo

A DC acaba de divulgar a prévia de Harley’s Little Black Book #6, que tem como destaque o encontro da Arlequina com o Maioral. Veja as páginas ainda em preto e branco na galeria:

A prévia da HQ diz que a palhaça e Lobo tem muito em comum como: as motocicletas e a paixão pela destruição. O encontro pode ser o começo de uma duradoura amizade ou a destruição do planeta.

Harley’s Little Black Book #6 tem roteiros de Amanda Conner e Jimmy Palmiotti, com arte de Simon Bisley e sai nos EUA em 30 de novembro.

Margot Robbie assina com a Warner Bros. para produzir o filme da Arlequina

Segundo informações do THR, a atriz Margot Robbie assinou um acordo com a Warner Bros. Pictures para dois filmes, um deles, inclui o derivado de Esquadrão Suicida estrelado por Arlequina, personagem que interpretou neste ano.

O outro projeto é a adaptação de Queen of the Air, de Dean N. Jensen. Os dois filmes serão produzidos pela atriz.

O filme da Arlequina promete reunir outras personagens femininas do universo DC Comics. Mais informações devem sair em breve.

Crítica | Esquadrão Suicida é um desperdício de potencial

Aviso: este texto possui spoilers

A espera finalmente acabou. Esquadrão Suicida está chegando aos cinemas de todo o mundo com a missão de suprir as (muitas) expectativas dos fãs. O filme traz uma galeria de vilões para o universo cinematográfico em construção, colocando-os no papel de heróis contra suas vontades e fazendo-os agir em prol da sociedade e do governo americano. A premissa do filme é simples: juntar as piores pessoas com as mais diversas habilidades, controlá-las para fazer algum bem e, como prêmio, reduzir suas penas presidiárias. O enredo do filme baseia-se na junção desses personagens pela figura icônica de Amanda Waller (Viola Davis), mas a própria realização do esquadrão resulta no advento de sua primeira missão: impedir que Magia (Cara Delevingne) destrua a Terra.

David Ayer tinha tudo nas mãos para trazer novos ares aos filmes baseados em quadrinhos, além de ter a oportunidade de trazer algo inovador ao gênero. Infelizmente, o diretor desperdiça a oportunidade de ter ótimos elementos a sua disposição para trazer uma história enfadonha e fragmentada do início ao fim. Esquadrão Suicida perde-se entre as expectativas do material divulgado e a sua triste realidade: estar muito aquém do prometido. O filme se passa após os eventos de Batman vs Superman: A Origem da Justiça (2016, Warner Bros), onde é mostrado como a população e os governantes do país reagiram à morte do Superman. Com a ausência do kryptoniano, assim como a ausência do Batman (que é explicada na cena pós-crédito), Amanda Waller vê uma brecha para iniciar seu Esquadrão Suicida com os piores dos piores: Amarra (Adam Beache), Arlequina (Margot Robbie), Capitão Bumerangue (Jai Courtney), Crocodilo (Adewale Akinnuoye-Agbaje), El Diablo (Jay Hernandez), Pistoleiro (Will Smith) e Katana (Karen Fukuhara), sendo todos liderados por Rick Flag (Joel Kinnaman).

O início é muito apressado, onde Amanda Waller introduz os personagens de forma célere. As cenas são com flashbacks curtos e rasos, mas preenchidos com fan services e as participações especiais de Batman (Ben Affleck) e Flash (Ezra Miller). Os backgrounds explorados do início ao fim do filme dão profundidade (se é que podemos achar alguma dentro de 130 minutos de filme) somente a duas personagens de destaque na trama: para a Arlequina e para o Pistoleiro. Ambas histórias remetem a pessoas que ambos amam, sendo respectivamente, o Coringa (Jared Leto) e a filha do assassino de aluguel. O restante dos membros do Esquadrão Suicida são jogados dentro da história, embora tentem ser desenvolvidos de forma pífia durante o restante da trama. O grupo não tem química entre si, e falta timing durante os momentos que seriam cômicos. As melhores piadas foram liberadas previamente nos trailers e clips do filme, não resguardando muito material para o produto final. Pela metade do filme você pode até se questionar “Quando começa a ficar bom?“, mas a resposta é: “Não fica“.

A edição do filme peca pelo excesso de cortes rápidos, não dando tempo das cenas se desenvolverem naturalmente para que haja empatia com os personagens que acompanhamos. Desde o início, percebe-se a pressa em juntar cada um deles e colocá-los na missão para a ação se desenrolar durante o segundo e terceiro ato. A história, mesmo apresentando os personagens brevemente no início, ficou dividida entre o presente e os flashbacks que persistem em ocorrer durante toda progressão da trama – e isso incomoda. Uma vez que os personagens foram unidos de forma rápida e seu background contado de forma rasa, seria mais pertinente deixá-los se desenvolverem ao longo da missão, focando na interação entre cada um ao invés de continuar com os cortes rápidos para um passado que de nada soma à trama. A trilha sonora do filme é igualmente problemática, embora que haja ótimas músicas, uma vez que Esquadrão Suicida vem com a proposta de ser pop. As músicas não se encaixam com os momentos, e são simplesmente jogadas ao longo do filme, tornando-se o oposto de Guardiões da Galáxia (2014, Marvel Studios), onde cada faixa é escolhida a dedo para algum momento do filme.

O arco principal da história se baseia no Esquadrão Suicida realizando a missão de salvar o mundo, mas paralelo a isso existe outra história: uma história de amor. Protagonizada por um homem de vestes espalhafatosas, de pele extremamente alva e meio louco da cabeça. O único problema é que ele tem cabelo verde, usa batom vermelho e é chamado de Coringa. David Ayer realmente queria mostrar um lado diferente da figura maquiavélica do palhaço do crime, e conseguiu. Sua participação é desnecessária e prejudica o andamento da história principal, além de não haver uma cena completa mostrando a interação do Coringa com outros personagens. Todas as cenas que o envolvem sofrem de cortes e mais cortes, não dando tempo e espaço para a interpretação de Jared Leto engrandecer, além de dá-lo um papel amoroso extremamente duvidoso para os conhecedores do personagem.

Esquadrão Suicida tem alguns bons momentos, entretanto, a maioria desses baseiam-se em torno da figura do Pistoleiro e sua jornada do início ao fim do filme, trazendo alguns picos emocionais que realmente funcionam e acrescentam para sua história. Outro ponto positivo a se destacar são as atuações de Margot Robbie, Viola Davis e Will Smith, que conseguem encarnar de forma exímia suas personagens. Posto isso de lado, esse é um filme problemático que não encontra o seu tom e não sabe a que veio. O melhor filme do Esquadrão Suicida será aquele imaginário que ficou nas nossas cabeças após as incríveis montagens de cada trailer. David Ayer se preocupou mais em encurtar as vestes da Arlequina na pós-produção e em dizer “Foda-se a Marvel”, do que em contar uma boa história. Esquadrão Suicida foi tudo que queria ter sido em termos de material de divulgação, mas esqueceu do principal: de ser um filme.

Comic-Con 2016 | DC anuncia suas futuras animações

Com o lançamento da animação de A Piada Mortal, a DC já anunciou seus próximos longas animados durante um painel na San Diego Comic-Con 2016. A primeira animação confirmada é Liga da Justiça Sombria, uma encarnação da Liga focada nos personagens místicos do universo DC com destaque para Constantine e Zatanna.

Outro longa animado que está nos planos é Os Novos Titãs: O Contrato de Judas, um dos arcos mais conhecidos da jovem equipe de heróis e, por fim, uma animação focada em Batman e Arlequina, que terá o envolvimento do diretor Bruce Timm, criador da personagem e conhecido por seu trabalho na série animada do Homem Morcego.

Confira o novo visual da Arlequina nos quadrinhos

Com a aproximação do filme do Esquadrão Suicida , era de se esperar que os personagens ficassem mais parecidos com suas contrapartes das telonas e, foi exatamente isso que aconteceu com a Arlequina. Confira o novo visual da personagem na arte de John Timms:

poltrona-novo-visual-arlequina

O novo visual da ex-namorada do Senhor Coringa apareceu em Harley Quinn #26, que terá roteiros de Jimmy Palmiotti, Amanda Conner e arte de John Timms.

Já o filme do Esquasrão Suicida contará com Joel Kinnaman (Rick Flagg), Jared Leto (Coringa), Will Smith (Pistoleiro), Margot Robbie (Arlequina), Jai Courtney (Capitão Bumerangue), Cara Delevingne (Magia), Viola Davis (Amanda Waller), Adewale Akinnuoye-Agbaje (Crocodilo), Karen Fukuhara (Katana), Adam Beach (Amarra), Ike Barinholtz (Hugo Strange), Common, Raymond Olubowal e Scott Eastwood formam o elenco de Esquadrão Suicida.

Ben Affleck (Batman) fará uma participação no filme. 

Veja mais: Assista ao segundo trailer de Esquadrão Suicida

Criado por Robert Kanigher e Ross Andru em 1959, a história acompanha criminosos condenados que realizam missões suicidas em troca de liberdade a serviço do Governo. Na TV, uma versão foi apresentada na 2ª temporada de Arrow.

Veja mais: Esquadrão Suicida | Elenco fala sobre o filme no especial da CW

Esquadrão Suicida estreia em 04 de agosto. David Ayer (Marcados Para Morrer, Corações de Ferro) assume a direção.

 

HQ do Esquadrão Suicida terá Jim Lee nos desenhos

Depois de divulgar mais alguns detalhes sobre sua nova fase editorial, a DC começa a soltar algumas informações sobre as equipes criativas dos novos títulos. Segundo o Newsarama, Jim Lee, um dos mais importantes desenhistas das HQs e publisher da editora, será parte da equipe de desenhistas rotativos do novo título do Esquadrão Suicida. Jim Lee junto de Scott Williams e Sean Galloway  já fizeram uma arte para o especial do dia da mentira do grupo. Confira:

poltrona-arlquina-jim-lee

A Warner deve estar apostando em um surto de popularidade da equipe depois do lançamento do filme em agosto, já as novas séries de HQs começam a sair em junho nos EUA.

 

Arlequina vai estrelar mais duas HQs

Ano passado a Arlequina já havia ganhado mais uma série além de sua HQ regular. Agora a DC vai colocar mais duas revistas da personagem nas bancas americanas, a Harley Quinn and the Suicide Squad April Fool’s Special e Harley Quinn and Her Gang of Harleys.

A primeira é um especial de Dia das Bruxas que contará com roteiros de Rob Williams e desenhos do mestre Jim Lee. Na trama, a a Dra. Harleen Frances Quinzel recebe o grupo de apoio Evil Anonymous, um grupo de suporte para vilões necessitados. Entretanto, quando Arlequina resolve jogar os vilões uns contra os outros, as coisas acabam saindo do controle.

Já a história da segunda HQ, que contará com roteiros de Frank Tieri e Jimmy Palmiotti com desenhos de Mauricet, girará em torno do sequestro de Arlequina e dos novos recrutas da gangue da palhaça, que fizeram sua estréia na HQ regular da namorada do Sr. Coringa.

Confira as capas:

Com informações de Comic Book Resources

Arlequina vai estrelar mais um título na DC

A namorada do Senhor Coringa vai ganhar mais um título na DC que, se chamará Harley’s Little Black Book“. A equipe criativa que tomará conta da HQ será a mesma da série mensal da personagem, o roteirista Jimmy Palmiotti e a desenhista Amanda Conner, entretanto a nova revista será bimestral.

A idéia da HQ é que Arlequina faça parceria com diversos heróis e vilões da DC e a primeira “felizarda” para fazer parceria com a palhaça é a Mulher-Maravilha. Confira, na galeria, a arte que mostra as duas personagens e a capa do #1:

Para ajudar a promover a nova série, a DC anunciou um mês de capas especiais com a Arlequina em outras séries. Já estão confirmados capas e desenhistas nas seguintes séries:

HARLEY’S LITTLE BLACK BOOK #1 – J. Scott Campbell
JUSTICE LEAGUE #47 – Jim Lee
JUSTICE LEAGUE OF AMERICA – Joe Madureira
THE FLASH #47 – Terry Dodson
GREEN ARROW #47 – Tim Sale
WONDER WOMAN #47 – Amanda Conner
SUPERMAN #47 – Lee Bermejo
BATMAN #47 – Alex Ross
HARLEY QUINN #23 – Bruce Timm
GREEN LANTERN #47 – Darwyn Cooke

Arlequina foi criada por Bruce Timm e Paul Dini como uma personagem da série animada do Batman de 1992. Depois de sua estréia, a personagem ficou extremamente popular e migrou para os quadrinhos. Em 2016, partcipará do filme do Esquadrão Suicida e será vivida pela atriz Margot Robbie.

Com informações de Comic Book Resources

 

Relacionamento entre Arlequina e Hera Venenosa é confirmado pela DC

Em uma recente sessão de perguntas e respostas entre os fãs e a DC, a editora confirmou que Arlequina e Hera Venenosa são mesmo namoradas. Confira a sequência de tweets:

poltrona-dc-tweetsTraduzidos os tweets ficam assim:

Fãs: “DC  – O que você acha do romance da Harley e Hera?

DC: “Nós amamos que elas sejam as melhores amigas.

Fãs: “Hera e Harley são namoradas? Por favor confirmem isso.”

DC: “Sim, elas são namoradas e sem o ciúme da monogamia

E para não restar mais nenhuma dúvida, confira essas imagens da HQ da Arlequina:

Com informações de Bleeding Cool

Co-criador de Harley Quinn, Bruce Timm, fala sobre a versão cinematográfica da pesonagem

Depois do diretor David Ayer revelar a primeira foto do elenco de Esquadrão Suicida, muitas opiniões sobre os personagens inundaram as redes sociais. Em especial a versão de Margot Robbie de Harley Quinn, uma personagem que tem tido cada vez mais holofotes desde a sua estreia em “Batman: The Animated Series“, em 1992. Em uma recente  entrevista Bruce Timm, co-criador de Arlequina revelou a sua opinião sobre a versão cinematográfica da personagem, que tem uma pegada mais urbana e diferente da inspiração original de bobo da corte.

É interessante“, disse Timm. “É estranho. Sendo eu – alguém que utilizou personagens que já existiam e os adaptei em meu próprio pequeno universo – eu temho noção de que quando um personagem que criei aparece em outros meios de comunicação eles têm de adaptá-lo e fazer coisas diferentes do que eu faria. Então, eu estou aberto para ver o que eles vão fazer. Estou realmente muito empolgado. Apenas hoje, pouco antes do show começar, eu vi a primeira imagem da Harley Quinn no filme do Esquadrão Suicida, e pensei’ Uau. Ela parece realmente muito bonita!’ Eu estava realmente um pouco preocupado e pensei ‘Oh, ela vai ficar muito, muito bizarra’, mas nah, ela não é tão ruim. Então, eu estou geralemente enganado”, completou.

A nova versão da Arlequina utiliza um esquema de cores vermelho e azul ao invés de vermelho e preto, mas o visual como um todo faz referências a seus primeiros dias como uma vilã dos desenhos animados.

Esquadrão Suicida estreia dia 5 de Agosto de 2016

Com informações de Comic Book Resources