Tenho de agradecer eternamente a Editora Intrínseca por ter me enviado Deixei Você Ir, de Clare Mackintosh, caso contrário não teria tido a oportunidade de ler um dos melhores livros sobre tema policial que já tive a chance de ler. A razão para isso é também minha única crítica em relação a obra, cuja capa não transcreve nem metade do que o conteúdo em si. Não a achei atrativa e nos oferece a ideia errada de estarmos lendo um romance clássico, bem diferente do thriller psicológico e intenso escrito por Clare.

“Quando Jacob morre atropelado em uma rua de Bristol, Inglaterra, depois de ter soltado a mão da mãe em um dia chuvoso, o motorista do carro que o atinge acelera a foge. Desvendar sua morte vira um caso para o detetive Ray Stevens e seus colegas, Kate e Stumpy. Determinado a encontrar o assassino, Ray se vê consumido a ponto de colocar tanto a vida profissional quanto a pessoal em jogo.
Jenna, assombrada pela morte do menino, abandona tudo e se muda para uma pequena cidade costeira do País de Gales. Ela passa os dias em seu chalé tentando esquecer as lembranças do terrível acidente e aos poucos começa a ter algo parecido com uma vida normal e vislumbrar a felicidade em seu futuro. Mas o passado vai alcançá-la, e as consequências serão devastadoras.”

Confesso que demorei um pouco para pegar o ritmo do livro, que é divido em Parte 1 e 2 (ou lenta e extremamente rápida, na minha opinião). Enquanto metade da trama é introdutória e nos faz gostar aos poucos de seus personagens, como Jenna, Patrick e Ray, a segunda é onde tudo acontece e a história sofre a maior reviravolta possível. O que antes era morno e previsível torna-se intenso e frenético, onde tudo começa a acontecer ao mesmo tempo e logo ansiamos pelo desfecho.

Algumas coisas merecem destaque na história de Clare além do conteúdo em si. Por já ter vivenciado diversas situações semelhantes durante seus anos de detetive, a autora abordou a investigação policial de maneira sucinta, porém clara para o leitor. Não temos detalhes excessivos a ponto de desfocar a atenção para o tema principal, mas também não faltam informações e/ou conteúdo, razão pela qual o grande plot twist nos pega tanto de surpresa. Caso você tenha previsto tudo desde o início, tiro o meu chapéu!

Outro ponto a ser comentado é a construção individual de cada personagem, sejam os narrados em primeira pessoa (Jenna e Ian) ou em terceira. A principal mensagem de Clare ao escrever Deixei Você Ir é mostrar que nem sempre as pessoas são aquilo que aparentam ser, e isso não necessariamente é algo negativo. Enfrentamos nossas próprias batalhas no dia à dia, algumas com um sorriso no rosto e outras nem tanto, mas jamais podemos adivinhar exatamente o que se passa na cabeça dos outros. Jenna sofreu um relacionamento abusivo durante anos, mas conseguiu escondê-lo de todos que estavam a sua volta, e por isso foi pré-julgada. A autora descreve suas figuras minuciosamente, nos fazendo criar laços, empatia e uma raiva tremenda a medida que viramos as páginas. Mesmo que em segundo plano, o desenvolvimento da relação entre Ray, sua esposa e sua parceira ajuda a atenuar o clima tenso da história de Jenna e Ian, e até isso nos atrai a leitura.

Deixei Você Ir foi uma grata surpresa, principalmente após o começo demorado. Os diferentes pontos de vida, os assuntos abordados de maneira delicada e intensa e narrativa como um todo captam a atenção e qualquer um que tiver um pouco de paciência para chegar ao final. Suas páginas iniciais são quase uma tortura, mas a partir do momento em que levamos um choque de realidade, o desfecho se aproxima em segundos e capítulos são devorados rapidamente.

Comentários

Notícias relacionadas