Descubra como o Aranha Escarlate original voltou à vida

Depois da chocante revelação que o Chacal atual dos quadrinhos é Ben Reilly, ficou a pergunta de como o Aranha Escarlate tinha voltado à vida. No final da Saga do Clone dos anos 90, Ben Reilly se dissolveu nos braços de Peter Parker e foi dado como morto. Cuidado com os SPOILERS a frente.

Segundo as revelações de Amazing Spider-Man #22, após a aparente morte do Aranha Escarlate, o Dr. Miles Warren, o Chacal original, coletou as amostras que sobraram de Reilly e o clonou novamente. Entretanto, dessa vez, Warren conseguiu manter as memórias antigas do clone. Para evitar que Ben se desintegrasse de novo, Warren o transformou em cobaia de teste o matando várias vezes e o trazendo de volta à vida. No fim, Reilly morreu 27 vezes afogado, queimado, envenenado, entre outras maneiras cruéis de morte, até que ele finalmente conseguiu escapar das garras do lunático cientista.

Confira as páginas com as revelações:

Amazing Spider-Man #22 tem roteiros de Dan Slott e Christos Gage com arte de Giuseppe Camuncoli.

Ler é Bom, Vai | Deuses Americanos é um dos melhores livros sobre mitologia já escrito

Esse domingo, decidi falar sobre um livro que foi, para mim, um presente em 2016. Sempre fui fã do tema mitologia, seja ela qual for, mas é difícil achar uma trama que aborde esse tema e seja original. Deuses Americanos me foi recomendado por diversas pessoas, e quando a Editora Intrínseca mandou aqui para casa, tomei como um sinal e finalmente resolvi ler (muuuito obrigada Intrínseca!).

Datado de 2001, a obra possuí diversas edições com as mais diferentes capas, mas o mesmo conteúdo. Tive a honra de receber a chamada ‘edição preferida do autor’, com páginas amarelas (simplesmente não gosto de páginas brancas), capítulos expandidos, artigos, uma entrevista com Neil Gaiman, além de um ótimo texto de introdução

Deuses Americanos nos convida a pensar desde o início da história, utilizando-se de metáforas bobas e/ou inteligentes que tornam a leitura leve, em um livro de mais de 500 páginas. Confesso que tive receio de ler outra trama maçante, com termos históricos e arcaicos, mas é exatamente o oposto.

A história narra a vida de Shadow, preso a três, desejando terminar seu tempo e voltar para casa, para sua amada esposa Laura e para o conforto do lar.  anos e seu maior sonho é voltar para casa, estar novamente com a pessoa que ama, Laura, sua esposa. Desde o momento que recebe a notícia de sua soltura, a vida de Shadow vira de cabeça pra baixo e ele se vê sem chão. É neste momento que surge Wednesday (Quarta-feira é o Dia de Odin na mitologia nórdica) , um velho Deus ‘esquecido’ que busca o antigo reconhecimento e adoração do passado. Antes que perceba, o rapaz se vê envolvido com Deuses, os novos e os antigos, além de trabalhar para eles em troca de um caminho para seguir na vida.

A trama gira em torno de uma guerra, premeditada a acontecer, onde Shadow percebe ter um importante papel. De um lado os velhos deuses, como Odin, Anúbis, Tot e Loki; do outro, os novos deuses, como a Media, a Internet e a Televisão, ou seja, artefatos que cultuamos em nosso dia a dia. Enquanto os novos buscam reconhecimento, os antigos querem recuperar a devoção que lhes foi atribuída quando os novos ainda não existiam. Shadow é recrutado por Wednesday, para ajudar a reunir os deuses esquecidos, que vivem uma vida “humana”, e declarar guerra aos modernos.

Apesar de abordar diversas vertentes da mitologia, Gaiman deixa de fora dois panteões de deuses bem conhecidos, os Gregos e os Cristãos, apesar de existir apenas uma pequena referência com a presença da deusa Easter, que significa Páscoa em inglês. Os trocadilhos estão presentes do início ao fim do livro, então é bom prestar atenção e tentar adivinhar antes de ser revelado na história (confesso que não percebi).

Quando pensamos que não tinha como melhorar, Gaiman encerra o livro da maneira mais brilhante possível. Shadow finalmente consegue desvendar, de maneira surpreendente, o mistério introduzido no início da história. Ao finalmente encontrar o corpo de Alison McGovern, a trama segue por um caminho que eu não esperava, e revela o lado de um personagem, praticamente “esquecido”.

Por fim, nas três páginas finais, Shadow se encontra na Islândia. O rapaz está em um restaurante, quando é surpreendido por ninguém menos do que Odin. Não, não o Wednesday de antes, mas o verdadeiro Deus Nórdico. Quando acusado por Shadow, por ser o suposto vilão, o Deus responde

“Ele era eu, mas eu não sou ele”

Wednesday era Odin, mas a versão levada a América pela fé dos imigrantes, não o mesmo que vivia nos países Nórdicos e não o mesmo Odin levado a outros países pela fé de outros imigrantes.

A história se encaixa e se desenvolve de maneira tão sensacional que será levada as telas da televisão em 2017. Com um elenco de peso, composto por Ricky Whittle (da série The 100), como Shadow Moon; Ian McShane (de Piratas do Caribe e Game of Thrones), como Wednesday, Gillian Anderson (de Arquivo X), como Media, Emily Browning (de Desventuras em Série), como Laura Moon, Pablo Screiber (de Orange is The New Black), como Mad Sweeney, Crispin Glover (de De Volta Para o Futuro), como Sr World, e Jonathan Tucker (de O Massacre da Serra Elétrica), como Low-Key Liesmith.   

Um novo livro de J.K. Rowling em 2017 ?

Agora que todo o fervor da estreia de Animais Fantásticos passou, J.K. Rowling parece ter voltado o foco para seus livros novamente. Durante uma de muitas sessões de Perguntas e Respostas com seus fãs, no Twitter, a autora mencionou a possibilidade de um novo livro vindo por aí.

Quando perguntada a respeito de um novo romance de sua autoria, Rowling deu a notícia que os fãs mais queriam ler :

“Estou trabalhando nele (literalmente). E muito obrigada!” 

Além disso, os fãs também perguntaram a respeito de Robert Galbraith, pseudônimo de Rowling, e autor dos três livros sobre Cormoran Strike. Quando questionada sobre além de um livro seu, e mais um livro de Galbraith, ela respondeu :

” Será um de cada, mas ainda não sei qual sairá primeiro. Eu vou lhes contar assim que souber” 

Achou que em 2017 teríamos um pouco de folga do universo de J.K. Rowling, já que o próximo filme de Animais Fantásticos só sai em 2018 ?

Homem-Aranha | Descubra a chocante identidade do novo Chacal

O Chacal é um dos mais antigos inimigos do Homem-Aranha. Incialmente, o Chacal era o Professor Milles Warren e um dos responsáveis pela famigerada Saga do Clone. A atual saga dos quadrinhos do Aranha, The Clone Conspiracy, também trazia um Chacal, que se pensava ser Warren, mas na última edição da série foi revelado algo bastante chocante. Cuidado com os SPOILRES.

Em Spider-Man: The Clone Conspiracy #3 é revelado, que o atual Chacal é Ben Reilly, o mais famoso clone de Peter e antigo Aranha Escarlate. Além da inesperada revelação, Reilly propõe a Peter trazer Tio Ben de volta à vida. Depois da controversa proposta, em uma prévia de Amazing Spider-Man #22, o antigo Aranha Escarlate afirma que ele é relamente Ben Reilly apesar do personagem ter se desintegrado nos braços de Peter no final da Saga do Clone.

Amazing Spider-Man #22, que tem roteiros de Dan Slott com Christos N. Gage e desenhos de Giuseppe Camuncoli, sai nos EUA em 21 de dezembro e promete responder a várias perguntas.

Batman tem mais um elemento adcionado a sua história de origem

A história de origem de Batman já foi reimaginada por vários autores, mas alguns elementos são constantes como, a morte dos pais de Bruce no beco do crime, seu árduo treinamento e outros. Entretanto, o atual roteirista do Batman, Tom King, adicionou mais um elemento a essa icônica história de origem. Cuidado com os SPOILERS.

No atual arco do Cruzado Encapuzado chamado I am Suicide (Eu sou Suicida), Batman acaba traído pela Mulher Gato durante uma perseguição ao Pirata-Psíquico. A circunstância da situação faz Bruce pensar em seus pais. Para o herói, por mais formais e gentis que seus pais fossem, os mesmos também riam de coisas ridículas, o que incluiria uma cara vestido de morcego combatendo o crime.

No fim, ele reconhece o quão estranho é o planeta ser salvo incontáveis vezes por aquela criança assustada que viu seu próprio mundo desabar. Mas o mais impactante vem logo depois. Nas palavras de Bruce:

“Eu tinha dez anos. Eu peguei uma das lâminas de barbear do meu pai e fiquei de joelhos. Eu passei o metal no meu pulso. A lâmina rasgando friamente. O sangue na minha mão. E eu olhei pra cima. Para meus pais. Eu disse que sentia muito. Eu sentia muito”

A revelação do Batman acaba por colocar um duplo sentido no título do arco. Outro fator interessante é que a revelação torna o herói mais humano e o conecta com outras pessoas, que passam por situações extremas e consideram que o suicídio possa ser uma saída.

Veja as páginas com a revelação na galeria:

O novo elemento da história aparece em Batman #12, que tem roteiros de Tom King com arte de Mikel Janin.

Marvel volta a dominar o mercado de HQs nos EUA

As vendas de HQ do mercado direto em novembro de 2016 nos EUA voltou a ter a Marvel como grande líder do mercado. Apesar da liderança, esses números só refletem o mercado direto com base nos números da distribuidora Diamond e não englobam todas as vendas.

A Casa das Idéias teve 39,46% do mercado, mas a DC teve a HQ mais vendida, graças aos títulos do Batman, que ficaram com o primeiro e segundo lugares. A revista mais vendida da Marvel foi Civil War II (2016) #7, que ocupou a terceira posição.

Fechando o top 10 temos: All Star Batman, Invincible Iron Man, Amazing Spider-Man: Renew Your Vows, Batman Anual, Venom, Walking Dead e Inhumans Vs. X-Men.

Wolverine ganha novo visual

A atual Wolverine dos quadrinhos e antiga X-23, Laura Kinney, também terá uma HQ durante o RessurXion. A heroína integrará a linha da X-Men com uma série escrita por Tom Taylor. A revista continuará sendo a All-New Wolverine e também mostrará o novo visual de Laura:

A próxima fase da revista da Wolverine, que começará no #19, se chamará Imunne e terá Leonard Kirk nos desenhos. O novo uniforme da heroína é inspirado na época de X-Force de Wolverine. Segundo Kirk, a nova vestimenta de Laura também visa proteger mais a garota, que mesmo tendo um fator de cura não é imune a dor.

Além de All-New Wolverine #19, RessurXion ainda contará com X-Men Gold #1, X-Men Blue #1, Generation X #1, Weapon X #1, Jean Grey #1, Iceman #1 e Cable #1.

Editora Pixel lançará guia sobre a jornada cinematográfica de Assassin’s Creed

A Editora Pixel anunciou seu próximo lançamento!

Assassins Creed: No Interior do Animus conta a história completa por trás da jornada cinematográfica, desde a pesquisa meticulosa sobre os horrores da Inquisição Espanhola até o processo de filmagem intenso na Espanha atual. Apresentando o conceito de arte expressivo que ajudou a concretizar o filme, este volume de luxo também inclui imagens completas das armas com a rubrica dos Assassinos, os detalhes de bastidores sobre a criação do Animus e fotos das acrobacias que desafiam a morte, que são uma característica marcante da franquia.

O Guia também, apresenta entrevistas exclusivas com Kurzel, com a incrível equipe de dublês e de criação e com membros do elenco-chave, incluindo Michael Fassbender e Marion CotillardAssassin’s Creed: No Interior do Animus captura o entusiasmo e os detalhes expressivos que Kurzel e sua equipe imprimiram em todas as fases do filme. Completo, com artefatos removíveis, tais como os esquemas de parkour dos dublês e o Relatório Animus de Callum Lynch.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS:

Número de páginas: 160 + 4
Formato: 23,5 x 28,0 cm
Preço de capa: R$ 99,90
Lançamento: 22 de dezembro

Ler é Bom, Vai | Com paciência, Toda Luz Que Não Podemos Ver é um ótimo livro

Depois de duas semanas de pausa devido a CCXP2016 e outros compromissos, o “Ler é Bom, Vai!” está de volta.

Desta vez escolho um livro, que após a sua leitura, ao mesmo tempo me surpreendeu e me decepcionou. Felizmente, os pontos positivos superam os negativos e se tornou uma excelente leitura. Antes de mais nada, gostaria de dizer que não é ‘mais um livro voltado para a Segunda Guerra Mundial”. Sim, o assunto é abordado em toda a narrativa, mas durante seus 10 anos escrevendo o livro, o autor usou as palavras certas para descrever seus personagens, trama e desfecho. .

” Abram os olhos e vejam tudo o que conseguirem ver antes que se fechem para sempre. “

Toda Luz que Não Podemos Ver chama à atenção logo por seu título enigmático, convidativo e poético, instigando o leitor a descobrir mais do que ele oferece. Mesmo vindo de um autor até então desconhecido,  Anthony Doerr, a obra foi a grande vencedora da edição 2015 do Pulitzer, “premiação norte-americana outorgada a pessoas que realizem trabalhos de excelência na área do jornalismo, literatura e composição musical”. Concorrendo com mais de 2500 livros, a trama de Doerr foi a vencedora. Já vale a leitura, não ?

Os protagonistas da história são Marie Laure, uma garotinha cega de dezesseis anos que vive em Saint-Malo, na França, no final da Segunda Guerra Mundial;  e Werner, um jovem recruta alemão de dezoito anos, que vive com sua irmã mais nova, Jutta, em um orfanato em Essen, na Alemanha. A trama oscila entre a vida dos dois e somos levados a diversos momentos diferentes, mas que sugerem um possível encontro em suas trajetórias.

Enquanto Marie vive com seu pai, desbravando cada centímetro da maquete feita por ele, retratando as ruas de sua cidade; Werner obstina-se em concertar um rádio velho, para conseguir oferecer a irmã e outras crianças, um pouco de entretenimento em tempos difíceis.

“Transmissões de Paris. Eles diziam o oposto de tudo o que a Deustschlandsender diz. Diziam que somos demônios. Que estamos cometendo atrocidades. Sabe o que significa a palavra, atrocidades? “

O único ponto negativo, para mim, é a grande extensão das histórias. Em um certo momento da leitura, ficamos cansados com a ausência de acontecimentos relevantes. Doerr percorre longos caminhos para chegar onde deseja, o que em grande número, pode levar muitos a acharem o livro chato. Quando as palavras começam a engrenar e fazer sentido, tudo ganha vida. Tenham paciência, somos recompensados no final.

A pureza e inocência presente nas palavras de Marie Laure e no comportamento de Werner, encantam até mesmo a mais fria das pessoas. A medida que a guerra avança e o menino é obrigado a servir aos nazistas, ele é requisitado na França para desativar qualquer meio de comunicação do inimigo. Como você ja deve ter adivinhado, Werner acaba indo parar em Saint-Malo, quando capta o pedido de Marie.

Não pensem porém, que só de doçura é feito o livro, afinal estamos no meio de uma guerra, onde milhões foram mortos. Doerr conseguiu mesclar de maneira brilhante, a extrema crueldade do ser humano e a ingenuidade de uma criança, conflito presente durante todo o tempo do conflito. Esse paradoxo está presente, principalmente, nas vidas opostas e conturbadas dos protagonistas: enquanto Marie-Laure luta para conseguir sobreviver ao exército alemão, Werner faz parte dele.

“– Seu problema, Werner – diz Frederick –, é que você ainda acredita que sua vida lhe pertence. ” 

” “- Quando perdi a visão, (…) as pessoas disseram que eu era corajosa. Quando meu pai foi embora, as pessoas disseram que eu era corajosa. Mas não era coragem; eu não tinha escolha. Acordo todos os dias e vivo a minha vida. Você não faz a mesma coisa?” 

Toda Luz que Não Podemos Ver é o típico livro que poderia gerar um dos melhores filmes do ano, mas confesso que depois de “A Menina que Roubava Livros”, tenho medo do que pode vir. Super recomendo a leitura, pois está entre os livros mais bonitos que já li. Os capítulos são curtos, apesar das mais de 500 páginas (é, é grande assim mesmo), e mesmo que a passos lentos, o final provavelmente irá te fazer chorar. Não é mais um livro sobre a “Segunda Guerra” e todos os clichês já conhecidos, mas um livro sobre inocência, crueldade, amor e principalmente coragem.

“O inverno é onde as coisas morrem”, diz George R.R. Martin sobre o novo livro

George R.R. Martin esteve presente na Feira do Livro de Guadalajara, que acabou último dia 4 e durante a palestra, o escritor falou um pouco sobre The Winds of Winter, sexto livro da série As Crônicas de Gelo e Fogo:

“Existem muitos capítulos sombrios. O livro se chama The Winds of Winter, e eu venho relembrando a vocês há 20 anos: o inverno está chegando, e é a época onde as coisas morrem, e o gelo, frio e escuridão dominam o mundo. Não vai ser um livro otimista. Alguns personagens estão em lugares bem sombrios”.

Assista a palestra completa:

Ele falou por um pouco mais de uma hora e brincou sobre a complexidade do universo que criou: “às vezes me pego pensando: Tinham que ser mesmo Sete Reinos? Os Cinco Reinos de Westeros teria sido melhor, certo?”.

O sexto livro ainda não tem data de lançamento. Já Game of Thrones retorna para sua sétima e penúltima temporada em 2017.

Misterioso novo Power Ranger é apresentado nas HQs

A edição #9 de Power Rangers acabou por adicionar um interessante novo elemento a mitologia, um novo Ranger. Cuidado com os SPOILERS.

No final da última edição da HQ dos Power Rangers, Rita Repulsa conversa com um  misterioso Ranger, que mistura os elementos do Rager Verde e Branco. Outro detalhe bem importante é que o novo personagem é maligno e domina uma versão alternativa de nosso mundo. Veja o design do novo Ranger:

poltrona-novo-ranger

Ainda segundo as revelações da HQ, o misterioso Ranger é o arquiteto dos acontecimentos da série até agora e ele terá uma importância considerável a longo prazo.

Might Morphin Power Rangers #9 tem roteiros de Kyle Higgins com arte de Hendry Prasetya e saiu nos EUA em 23 de novembro.

Descubra quem é o novo hospedeiro de Venom

Recentemente, Flash Thompsom se se separou de Venom e o simbionte voltou para Nova York. Cuidado com os SPOILERS.

Em Venom #1, o simbionte está em um estado muito ruim e resolve procurar um novo hospedeiro. Venom até encontra um novo parceiro, entretanto, o novo hospedeiro também estava em péssima condição. Por fim, a HQ nos apresenta o ex-membro do exército chamado Lee Price, que também age como mercenário.

Durante um de seus trabalhos como mercenário, Venom acaba por encontrar Lee e o possui. Inicialmente, o simbionte acha que Lee tem a mesma índole de Flash Thompson, entretanto, Venom está enganado. Lee toma controle do simbionte e mata todos a seu redor. O mais interessante nisso tudo é que Venom não parece querer voltar a seus dias de vilão, mas Lee não se importa com a opinião do simbionte.

Venom é de uma raça de simbiontes, que se juntam à outros animais para consumir sua adrenalina e acaba por tomar conta da mente do hospedeiro. A primeira aparição do traje se deu em 1984 durante as Guerras Secretas, mas Venom só surgiu mesmo em 1988 pelas mãos de David Michelinie, Mike Zeck e Todd McFarlane.

O hospedeiro mais notório de Venom é Eddie Brock, que também é um dos arqui-inimigos do Homem-Aranha.

Venom #1 tem roteiros de Mike Costa, arte de Gerardo Sandoval e saiu nos EUA em 23 de novembro.

George R.R Martin se compromete em terminar o novo livro

Os fãs estão esperando pelo sexto livro de As Crônicas de Gelo e Fogo, Winds of Winter, desde 2011 e, pelo visto, vão ter que esperar um pouco mais. Já que o autor prometeu focar na escrita, mas só em 2017. O jeito é torcer para que essa resolução de ano novo, realmente seja cumprida.

Martin já pediu desculpas por perder o prazo no início do ano, e agora, afirmou em mais uma postagem de seu blog que vai tentar se concentrar. Para isso ele vai “limitar aparições” ao máximo em 2017 “até terminar” o livro.

Só que, como isso é só para 2017, antes ele tem muitos compromissos. Como ir ao México participar de uma feira literária e participar de diversas atividades, incluindo um painel, um live streaming e tarde de autógrafos.

Será que um dia veremos o fim desses livros?

X-Men | Novas HQs ganham times criativos e mais detalhes

A nova fase dos X-Men, RessurXion, contará com dois títulos chamados X-Men: Blue e Gold, que remetiam a formação dos mutantes do começo dos anos 90. Apesar da divulgação dos novos títulos, os times criativos e os detalhes das HQs eram um mistério. Agora, a Marvel divulgou os times criativos e vários detalhes de ambas as HQs.

X-Men: Blue será escrita por Cullen Bunn e desenhada por Jorge Molina. A nova HQ seguirá as aventuras dos cinco X-Men originais (Ciclope, Fera, Anjo, Homem de Gelo e Jean Grey), que serão liderados por Magneto. Segundo Bunn, os X-Men originais não confiam totalmente em Magneto, pois Erik foi o primeiro vilão que eles enfretaram, entretanto, o personagem mudou muito durante os anos e servirá como uma figura semelhante a Charles Xavier. Confira a arte da capa do #1:

poltrona-x-men-blue

X-Men: Gold, será composta por Tempestade, Noturno, Colossus, Rachel Grey, Velho Logan e será liderada por Kitty Pride. A equipe criativa será composta por Marc Guggenheim, showrruner de Arrow, nos roteiros com a arte de Ardian Syaf. Nas palavras de Guggeheim, Kitty é a pessoa certa para liderar os X-Men nos tempos atuais e para tentar manter o sonho vivo. Veja a capa do #1:

poltrona-x-men-gold

Ambas as HQs começam a sair nos EUA em abril de 2017 e serão uma publicação quinzenal.