BGS 2016 | Entrevistamos Milton Leite, narrador do PES 2017

Pro Evolution Soccer 2017, ou para os mais íntimos, PES 2017, retorna esse ano com algumas mudanças positivas para o público brasileiro. A sua nova versão terá a ilustre narração de Milton Leite, famoso pelos díspares jargões e pela sua forma bem humorada de traduzir o que se passa dentro de um jogo de futebol.  O Poltrona Nerd estava presente na Brasil Game Show e pode realizar uma entrevista exclusiva com o novo narrador da franquia tão amada pelos brasileiros. Que beleza!

Poltrona Nerd: Milton Leite, conhecemos o seu trabalho de longa data e gostaríamos de saber qual o sentimento que você tem sabendo que atingirá um público diferente e gigante, contando que isso traz um reconhecimento ainda maior para sua carreira?

Resposta: Primeiramente, um sentimento de alegria. Eu já havia trabalhado com games no começo dos anos 2000 e foi um trabalho que me agradou muito. Conheci um público que eu não tinha muito contato fora da televisão. Então, estou feliz em voltar, ainda mais agora em que os games estão ainda mais populares do que naquela época. Hoje percebo que, diferentemente daquela época, existem comunidades, caras que são “Fifeiros”, caras que são “Peseiros”, e só jogam um dos jogos, não trocam. Estar nesse mundo é muito legal. O que você tem de tecnologia nesses jogos hoje em dia é muito maior do que era naquela época. Até para gravar foi muito mais fácil do que naquela época, em função disso. Estou muito contente, naquela expectativa de ver as pessoas jogando e ver se a expectativa delas também foi bem atendida.

pes-0

Poltrona Nerd: Foi uma grande surpresa você aparecer no PES, ainda mais depois de participar em outras franquias. Como foi o trabalho no estúdio? Deve ter tido bastante trabalho. Tem algum bate-bola com o Mauro Betting no jogo?

Resposta: No jogo tem! Mas não gravamos juntos. Ele gravava a fala dele e eu a minha, e depois a edição junta. Até por que, eu tive que gravar muito mais que o Mauro, pois ele já tem um histórico no jogo, que eu não tenho, e tive que gravar o jogo inteiro. As falas que ele tinha que fazer comigo, no geral, ele gravava um dia antes, e eu chegava, ouvia o que ele tinha falado, e adaptava as minhas falas para o texto. Como eu tinha que gravar tudo, eu demorei mais de 40 dias no estúdio. Ia para lá 3 ou 4 vezes por semana, ficava por lá por uma hora e meia, duas horas, as vezes até três horas de estúdio, pois foram quase 13.000 arquivos que eu tive que gravar. Então, demorou bastante, foi algo longo, mas foi bem feito. Achamos que conseguimos fazer com cuidado pra que texto ficar parecido com o que eu faço na TV. Para nós o resultado ficou muito bom!

Poltrona Nerd: Exatamente neste ponto! Somos fãs do seu trabalho na TV. A emoção que você passa no jogo é algo sensacional! Queríamos saber se você conseguiu passar essa emoção para o jogo, pois no mundo dos games de futebol, as narrações, principalmente as em português, não trazem a emoção que se pede e algumas falas ficam perdidas. Você acha que conseguiu trazer esse sentimento?

Resposta: Eu acho que sim! A avaliação que eu fiz, e que o pessoal do estúdio fez, foi de que estava muito próximo do que eu faço na televisão. Eu recebia o texto antes. Adaptava ao meu jeito de narrar, mesmo na hora quando mudávamos alguma coisa, o pessoal do estúdio dava uns toques por conhecer melhor a mecânica do jogo, mas eu sempre tentava adaptar para o meu jeito. Então acho que está bem próximo, todos os meus bordões estão lá, tive o cuidado até de, por exemplo, tem muito grito de gol, certo? E o gol não é sozinho, vem sempre seguido de algum complemento. Eles até sugeriram de gravar um gol só e depois eles editariam, para não precisar ficar gritando gol várias vezes, mas preferi fazer o texto todo. Gritei todos os gols que estavam lá, pois achei que ficaria bem mais natural a frase inteira com o gol, as vezes até com um nome de jogador no final, então, novamente, dentro dessa maneira que fizemos, ficou bem próximo da TV sim. Se não ficasse seria ruim, pois a Konami fez uma pesquisa pra renovar o jogo e meu nome foi muito citado, então, as pessoas queriam o cara da televisão. Então acho que ficou muito parecido! Ficou bem legal!

pes-2

Poltrona Nerd: Você teve bastante liberdade na hora de gravar? Tentou algo novo que achou que poderia ficar legal no jogo?

Resposta: Na verdade, não daria nem tempo de criar algo. E eu nunca crio nada, as coisas que falo saem na hora e são bem naturais. As vezes, os bordões não sou nem eu quem crio, ouço em algum lugar e reproduzo ali na hora, não fico em casa pensando em bordão, então não teria sentido fazer isso no jogo. Deve ter sim uma coisa ou outra que eu não fale na TV, mesmo porque, o jogo traz situações diferentes de vez em quando também. Enfim, tentei dar a minha cara ao jogo, algo bem natural.

Poltrona Nerd: Você já jogou o jogo? Se sim, conte-nos a sua experiência como jogador.

Resposta: Não joguei o jogo. Aliás, minha experiência como jogador é zero (risos). Preciso aprender. Tenho dito para todo mundo que esse jogo eu me obriguei a aprender a jogar. Sou de uma geração onde não tínhamos acesso a essa tecnologia. Agora, meu neto, de 2 anos, já mexe em tablet e daqui pouco tempo já vai estar jogando. Eu vou ter que jogar com ele, então tenho essa obrigação de aprender. Antigamente, eu só via o jogo com a minha voz com alguém jogando, mas nunca joguei. Dessa vez, eu quero jogar! Mas agora com ele pronto, eu ainda não vi nem ninguém jogando. O resultado que eu tenho é do que assisti no estúdio. As imagens que eu tenho são as mesmas que vocês viram aqui e em outros materiais promocionais.

O novo jogo da franquia já está disponível para compra no PlayStation 4, Xbox One, PC, PlayStation 3 e Xbox 360. A Konami também confirmou que haverá uma versão adaptada do jogo para o PlayStation 4 Pro.

BGS 2016 | Entrevistamos João Barão, produtor do Fifa 17

O Fifa 17 era uma das maiores atrações da Brasil Game Show de 2016. Tanto pelos campeonatos disputados diariamente no estande, premiando os vencedores, tanto pela exclusividade de todo público como a imprensa  de conseguir testar o jogo em sua versão demo, que é praticamente a versão final do game.

Além das diversas novidades apresentadas durante a coletiva realizada na quinta-feira, como os 23 clubes brasileiros disponíveis na versão do novo Fifa, além da volta do Modo Carreira com os nossos amados clubes nacionais, tivemos a oportunidade de conversar com um dos produtores do jogo, João Barão, e fazer algumas perguntas do interesse de todos os fifeiros.

Poltrona Nerd: Desde quando começou a ideia do modo história?

Resposta: A ideia já vem de vários anos, pelos feedbacks que temos nas comunidades do Fifa. Começamos a trabalhar no modo jornada há 2 anos atrás. Escolhemos esse ano para lançamento, pois a interação, a conversa entre dois personagens não era possível sem o engine Frostbite, e tivemos que contratar muita gente nova também, como roteirista, escritores, cineastas, entre outros, pois nunca havíamos feito isso no Fifa antes.

Poltrona Nerd: É um outro jogo dentro de um jogo, certo? É algo totalmente diferente do que estamos acostumados. E essas cenas que vocês criaram, elas mudam conforme suas ações? Como funciona?

Resposta: Sim, uma das coisas básicas, quando começamos a desenvolver o modo, é que o usuário, de acordo com a maneira que ele joga, tem que causar um impacto diferente no jogo, nas cenas, e na carreira do jogador. Então, tudo que você faz dentro e fora do campo tem impacto na sua carreira. Dentro do campo com as suas atuações, notas de partidas, seu rendimento nos treinos, se é titular ou suplente, minutos que joga. Fora de campo, a interação com a imprensa, jornalistas, técnicos e companheiros de time vão moldar sua personalidade. Por exemplo, as respostas na coletiva de imprensa vão mudando sua personalidade. Você pode ser uma pessoa mais calma ou mais brava. Então, isso pode fazer você ver cenas que eu nunca vou ver, dependendo das escolhas que fizermos. Portanto, todas as decisões que você toma no jogo tem um impacto.

journey1

Poltrona Nerd: Vimos no vídeo, que ele o jogador tem um amigo que vai crescendo com ele na carreira. Além dele, outras pessoas que foram criadas por vocês, como por exemplo, o José Mourinho, eles também participam da história?

Resposta: Posso dizer que eles aparecem no modo. Vão aparecer jogadores, agentes, jornalistas. Não posso dar detalhes se vai aparecer alguém conhecido ou não.

Poltrona Nerd: Vocês chegaram no resultado esperado com a Frosfbite? Acha que a nova engine pode contribuir ainda mais pro jogo no decorrer dos anos?

Resposta: Achamos que a qualidade gráfica do jogo está ótima. Eu nunca vi nada tão bom. Mas o Frostbite tem um potencial de continuar a desenvolver e trazer ainda mais. Ela permite trazer features novas muito facilmente. É fácil criar cenas, por exemplo, que antes não era possível. Perderíamos 3 ou 4 meses para fazer uma cena, e agora é tudo muito mais rápido.

Poltrona Nerd: Você acha que futuramente será possível trazer algo como o Game Face para o modo Jornada?

Resposta: Discutimos muito isso durante os testes. Para a qualidade, por ter que criar toda a história por trás desse personagem, não temos como saber a história de todo mundo (risos), então, focamos muito na qualidade visual. Ficaria muito difícil, por exemplo, fazer a sincronização labial para cada língua que o jogador falasse. A decisão de criarmos esse personagem único, com certeza, trará muito mais qualidade do que teríamos se liberássemos para cada um criar o seu jogador. E também, você ainda pode fazer isso no Modo Carreira.

journey2

Poltrona Nerd: Então vamos pro Modo Carreira. Teve alguma remodelada? Alguma nova adição?

Resposta: Olhamos muito para esse modo também. Por exemplo: os objetivos que você tinha como treinador era: Ganhar a Liga, ganhar a Copa, nada a mais. Então, ao fim de 2, 3 Temporadas, ficava repetitivo. E outra coisa… No jogo, é muito mais fácil você ser treinador de um Real Madrid… Você tem todos os jogadores excelentes à sua disposição. Na vida real é o contrário. É muito difícil ser treinador do Real Madrid. Criamos este ano vários novos objetivos, como: expandir a academia, desenvolver a marca do clube em outros continentes, objetivos financeiros. O Real Madrid, por exemplo, não se preocupa com dinheiro, portanto, seus objetivos serão mais focados em expandir a marca. Um dos objetivos, por exemplo, é, na primeira temporada, ganhar X de dinheiro com venda de camisas. Também fizemos muitas mudanças no sistema financeiro. Coisas como despesas do estádio, de viagem, venda de camisetas, portanto, cada temporada é diferente, com objetivos dinâmicos, de curto e longo prazo.

Poltrona Nerd: E isso também se aplica aos times brasileiros? Tem algo voltado para eles neste sentido também?

Resposta: Temos um número de objetivos muito grande. Nossa equipe de licenciamento de dados olha direitinho para cada equipe. Por exemplo, o Santos é conhecido por desenvolver muito bem as categorias de base, portanto, com certeza, desenvolver a academia será um objetivo importante dele.

Poltrona Nerd: Tem mais ações? Ouvi dizer que dobrou o número de animações. Isso é em relação a que? Toque de bola? Comemorações?

Resposta: Em relação ao gameplay, posso dizer que temos 4 mudanças muito importantes. Primeiramente, um sistema de inteligência novo, os jogadores sem a bola são mais ativos, marcam melhor, e com mais ocorrência. Também funciona para os jogadores que estão com a bola. Eles são mais inteligentes. Sabem onde colocar o passe, e seus companheiros sabem se posicionar para receber esse passe. Em termos de animações sim. Temos quase o dobro de animações. Temos novos dribles, comemorações, um novo sistema de proteção de bola manual, segurando o LT (ou L2), você vai proteger a bola de quem vem de trás. Então, tem mais opções de manter a posse de bola, e a falta também teve diferença. Tem muito mais opções para bater a falta. Cobranças rasteiras. E tem também o cabeceamento para baixo. Essas são as principais novidades do jogo. Acho que isso torna o jogo mais fluído.

Poltrona Nerd: Sobre o mercado brasileiro… Vocês estão investindo muito aqui. Já mudou bastante. Como vocês enxergam o mercado brasileiro?

Resposta: O mercado brasileiro é muito importante. Uma das razões que fazemos questão de mandar alguém para a BGS. Eu estou aqui esse ano, e sempre vem alguém. Queremos saber suas dúvidas, opiniões e feedbacks. Ter os 23 clubes acho que mostra o nosso compromisso com isso. 23 clubes é o nosso recorde. A Liga está no Modo Carreira, ano passado não estava, infelizmente, pois não deu tempo. Então, logo depois que terminamos o FIFA 16, já começamos a trabalhar em cima disso para dar tempo tranquilamente.

Poltrona Nerd: Então, quero uma dica… Sofri para bater pênalti quando testei o jogo. Não dá pra ensinar como é, não? Todos que eu chutei foram pra fora.

Resposta: Acho que está mais fácil que no ano passado. Basta escolher o lado exato. As vezes o goleiro faz boas defesas, mas também mandei muitos pênaltis para fora. É porque o sistema é novo, depois acostumamos.

Fifa 17 utiliza a engine Frostbite e é produzido pela Eletronic Arts. O game chegará as lojas físicas e digitais no dia 27 de Setembro – e já disponível para os assinantes de EA Access, no Xbox One.

SEGA anuncia dois novos jogos do Sonic para 2017

Nesta última sexta (22), Sonic comemorou 25 anos do lançamento do primeiro jogo. Em comemoração, a SEGA anunciou na Comic-Con 2016, dois novos games do ouriço para 2017.

Um deles, já tem título: Sonic Mania, que seguirá o estilo do game original de 1991, na plataforma 2D. Ele será lançado para PlayStation 4, Xbox One e PC. Veja o trailer abaixo:

O outro game, será lançado para PlayStation 4, Xbox One, PCNintendo NX. Ainda não há título confirmado. Mais informações deverão sair em breve.

Allison Road | Jogo de terror baseado em Silent Hills é cancelado

Assim como o tão esperado Silent Hills que abalou a E3 2015, o jogo de terror Allison Road acabou tendo um fim prematuro.

O jogo estava sendo desenvolvido pelo estúdio indie Lilith e começou bem no Kickstater, juntando fundos suficientes para ser lançado. Mais tarde, viria a fazer parceria com a Team 17.

Infelizmente a noticia veio no último sábado (dia 4) pelo Twitter, comunicando aos gamers e fãs do projeto seu cancelamento.

Olá a todos. Infelizmente Allison Road precisou ser cancelado. Faremos uma declaração nos próximos dias. Obrigado a todos pelo suporte e estamos muito tristes que tenha chegado a isso

Atualizaremos o site conforme novas declaração sobre o game sejam feitas.

Forza Motorsport 6 | É necessário uma PUTA configuração para rodar o game no PC

Forza Motosport 6, que vai ganhar uma versão gratuita exclusiva para Windows 10, teve suas configurações mínimas divulgadas pela Microsoft.

Segundo a tabela, o game requer no mínimo 30gb de espaço, processador quad-core, 8gb de RAM e uma placa de vídeo GT 740, sendo o recomendável uma GTX 970 que custa em média R$ 1.400 no Brasil.

Ainda sobre a placa de vídeo, para os usuários que querem jogar em 4K, resolução máxima do game, é necessário que a máquina tenha uma GTX 980ti (ou Radeon Fury X) que custam em média R$ 4.000 acompanhando 16gb de RAM e um SSD onde deverá ser instalado o game.

forza-req_dbpm

A partir do dia 05 de maio, usuários do Windows 10 poderão desfrutar da versão experimental. Assista ao gameplay trailer:

Rainbow Six Siege estará gratuito na Steam durante o fim de semana

Se você é um fã inveterado de FPS e ainda não teve a oportunidade de jogar no PC, talvez seja a hora. Com o término da Pro League de Rainbow Six Siege, a Steam estará disponibilizando à partir desta quinta-feira (dia 14) o game de forma gratuita até o dia 17.

Leia também: Crítica | Rainbow Six Siege é um game apenas para fãs de FPS

A versão disponibilizada do jogo será completa, com direito ao modo Terrorist Hunt e multiplayer. O game também estará disponível através do Uplay. Obviamente, a liberação do jogo é uma tática para aumentar as vendas, sendo que Rainbow Six está com um desconto de 33% em sua versão normal e 40% na Gold Edition.

Rainbow Six Siege foi lançado para PlayStation 4, Xbox One e PC.

Fonte: Gamespot

The Division | Jogadores de PC serão banidos por cheat

Versões de PC são sempre complicadas devido a grande massa de jogadores dispostos a trapacear em modalidades online. Com The Division, não é diferente. Os desenvolvedores da Massive Entertainment e a Ubisoft, fizeram uma conferência para anunciar que a atualização de The Division vindo no próximo dia 12 terá algumas diferenças no PC, entre elas a opção de denúncia.

Leia também: Crítica | The Division é simplesmente bom, mas sua publicidade é melhor

A decisão vem devido ao enorme número de reclamações por parte de outros jogadores em relação a trapaças, mods e cheats que estão sendo inseridos no jogo. Yannick Banchereau, desenvolvedor do game, declarou que a primeira suspensão de jogadores trapaceiros será de três dias, sem aviso.

Não vamos fingir que estamos felizes com a situação. É algo que viemos trabalhando e devemos ter melhores soluções vindo no futuro. Queremos melhorar as coisas. E temos pegado diversas pessoas em flagra, então não é como se não tivéssemos feito nada antes, mas iremos melhorar a situação

Como parte da adição do dia 12, os jogadores de PC irão ganhar a funcionalidade de “/report [username]” para denunciar outros jogadores e colocar suas contas em análise da desenvolvedora. A Massive declarou que irá analisar cada uma das denúncias.

Tom Clancy’s The Division está disponível para PlayStation 4, Xbox One e PC.

Fonte: Destructoid.

No Man’s Sky ganha data de lançamento

No Man’s Sky promete abalar as fundações dos games indies com sua premissa de customização de uniformes, aeronaves e a exploração livre de planetas e do universo. O game foi primeiramente anunciado durante o VGX Awards da Spike, mostrando que o mundo aberto tem potencial até mesmo em títulos independentes.

Depois de um longo tempo a Hello Games, desenvolvedora do jogo, finalmente veio a público em uma conferência de imprensa para anunciar a data de lançamento: 21 de junho na América do Norte e 24 de junho no Reino Unido. Como de costume, o jogo deve chegar ao resto do mundo na mesma data americana.

No Man’s Sky chegará apenas para PlayStation 4 e PC.

Fonte: Gamespot

Forza Motorsport 6 está ganhando versão free-to-play para PC

A Microsoft decidiu começar a semana com uma boa noticia para os fãs da franquia Forza e jogadores de PC. O último game estará ganhando uma versão free-to-play (gratuita) exclusiva para PC chamada Forza Motorsport 6: Apex.

O game terá compatibilidade somente com o Windows 10 e promete ser lançado na primavera americana. Infelizmente, não houve divulgação de nenhum trailer ou galeria de imagens para saciar a ansiedade dos fãs.

Fonte: Destructoid.

Crítica | Side Quest representa os games independentes com humor e irreverência

Trazendo uma premissa bem simples, a Miris Mind, estúdio brasileiro e independente de jogos, apresenta ao jogador Side Quest. Começamos o jogo conhecendo o azarado cozinheiro que estava – em um dia comum de trabalho – apenas indo fazer a entrega de uma marmita no castelo e, de repente, encontrou um mago maluco que lhe disse o seu destino: você precisa salvar a princesa!

Logo do jogo Side Quest

A básica jornada do herói lança o jogador no game em si, que traz comandos bem básicos e esperados de um jogo independente, sendo as únicas ações disponíveis correr, atacar com a espada e lançar magia nos inimigos. Talvez seja essa mesma simplicidade em seus comandos mais básicos a graça de  Side Quest, um jogo descompromissado e, às suas próprias maneiras, bem inteligente em um mercado cheio de jogos independentes baseados nos clássicos puzzles para atrair os jogadores.

Leia também: Entrevistamos os desenvolvedores da Miris Mind, estúdio brasileiro de games.

Artisticamente, Side Quest não peca. Apesar de serem simples, os cenários do jogo passam uma boa sensação, trazendo cores vibrantes que adicionam um toque especial ao humor do jogo, inclusive fazendo piadas ao próprio estilo de cenário e a independência de um estúdio que precisa batalhar para criar aquele conteúdo. Infelizmente, apesar de todo cuidado trabalhando para polir melhor os cenários em que o cozinheiro atravessa na sua jornada para buscar a princesa, o jogo torna-se escasso. Existem poucas fases e você pode chegar ao final rapidamente. Também existem poucos upgrades disponíveis no jogo (os desafios ao longo da trama para melhorar seus equipamentos fornecem um bom passatempo), limitando as opções do jogador em seus meios de avançar para enfrentar as hordas de inimigos.

Entretanto, não é aí que realmente mora a grande façanha de Side Quest. O jogo consegue, como independente, mostrar do que é feito. Através de um roteiro suave e inteligente, apresentando um protagonista para lá de hilário fazendo piadas que quebram a 4ª parede, Side Quest consegue ser realmente genuíno com seu público. Com os avanços do jogo no reino e os diálogos bem humorados, o game ainda entrega uma trilha sonora digna que remete ao tempo medieval.

Enfim, Side Quest torna-se maravilhoso por não tentar ousar demais como indie – embora pudesse arriscar mais -, e por dizer ao jogador como jogar e como ser herói. O jogo faz um bom trabalho em construir seu protagonista e apresentar irreverência na tentativa de ter sucesso no mundo selvagem lá fora.

Side Quest está disponível para PC na Steam por R$ 19,90.

Entrevistamos os desenvolvedores da Miris Mind, estúdio brasileiro de games

O Brasil é um mercado crescente em games e, embora não pareça, estamos cheios de novos estúdios surgindo e lançando seus jogos independentes ao mundo, seja na Steam ou alcançando outras plataformas tão poderosas quanto. Sendo assim, caso você ainda não os conheça, a Miris Mind é um estúdio independente de São Paulo que começou há cerca de quatro anos e meio com quatro colegas de faculdade. Divididos em dois grupos, cada um estava tentando ter seu próprio estúdio, porém, em um trabalho conjunto acabaram percebendo que funcionavam melhor todos juntos. Assim surgia a Miris Mind.

Leia também: Crítica | Side Quest representa os games independentes com humor e irreverência

Com o nascimento de seu primeiro grande jogo, Side Quest, aqui no Poltrona Nerd tivemos a oportunidade de testar o jogo e ainda bater um papo com os quatro sócios da Miris Mind, Eduardo Clemente (arte), Eric Lima e Silva (programação), Leandro Siqueira (programação) e Rafael Lucio de Matos (programação), todos desenvolvedores de jogos digitais, e saber mais como nasceu a história do azarado Cozinheiro que vira herói do dia para a noite (maldita pizza!) e algumas referências populares existentes no jogo.

miris mind (2)
Sócios da Miris Mind

“Aqui na Miris Mind nós tivemos uma espécie de brainstorm e dividimos a equipe em duas, lançando cada um ideias para o que seria nosso primeiro projeto. Nós não tínhamos nada. Então fomos desenvolvendo e o Side Quest começou a se tornar algo, a ficar interessante. Isso foi lá em 2012, já há um tempinho” revelaram. “Nossa ideia surgiu quando ainda trabalhávamos em uma agência de marketing. E fomos desenvolvendo no tempo livre, bem assim, então demorou. Ainda fazemos isso. Não trabalhamos em tempo integral no projeto”

Side Quest tem tido um bom recebimento do público, especialmente pelo trailer na Steam, que trouxe algumas pessoas a mostrarem um grande interesse pela personalidade do cozinheiro e o estilo beat’em up do jogo, com comandos simples, falas divertidas e algo mais descompromissado do que os títulos existentes por aí. Para os desenvolvedores da Miris, isso tem sido maravilhoso, porém, apesar das grandes esperanças de que tudo ocorra bem, é sabido que o mercado brasileiro é um lugar difícil para quem está iniciando.

“Estamos com os pés no chão.” contam. “Nós estamos trabalhando há bastante tempo com essa ideia, mas não queremos ficar com o coração despedaçado. Estamos preparados para tudo, apesar de que as reações tem sido bem positivas do público. A ideia é que de uma hora ou outra dê certo. Somos amantes de jogos e queremos estar sempre desenvolvendo”

Retornando a falar ainda sobre o seu grande projeto, a Miris revelou que Side Quest teve um caminho bem diferente do original. Com diálogos inteligentes e uma quebra frequente da quarta parede (qual revelaram para nós que foi de certo modo acidente e proposital, “porque simplesmente deu certo”), o game não era inicialmente para o PC, e sim para os dispositivos móveis, algo perceptível aos players.

“A ideia inicial de Side Quest era mobile, porém, durante a produção apareceu a oportunidade de lançar para PC. Contudo, nós tivemos que alterar muito do jogo, mas não tínhamos tempo de fazer tudo do zero, então o produto final ainda teve essa aparência. Inclusive, alteramos o personagem principal, adicionando aquela barriga de fogão e deixando melhor visualmente, mas de jeito nenhum poderíamos começar do zero ou teríamos o jogo pronto lá em 2017”

A Miris ainda falou um pouco para o Poltrona sobre o futuro, não somente de Side Quest, mas também o que há na reserva para o próprio estúdio, desde a recepção do jogo até grandes chances de levar o game para novas plataformas, como Mac, Linux (projeto ainda em andamento) e os consoles de mesa.

“Nesses últimos anos fizemos bons contatos, mas ainda precisamos esperar e ver a recepção do público no Windows para saber se vale a pena fazer o port para outros consoles, se vale o trabalho” compartilharam. Continuaram ainda falando sobre projetos futuros: “Precisamos agora sentar e deixar as ideias que já tínhamos lá. Vamos ver onde Side Quest nos leva e se podemos arriscar e trabalhar mais em um novo título”

Logo do jogo Side Quest
Logo do jogo Side Quest

Novamente, é bem sabido que o mercado independente é feroz, não somente para games, mas a qualquer um que se arrisque. A Miris Mind está se arriscando e deve fazer um bom trabalho. Com vista nisso e no mercado brasileiro, perguntamos sobre a visão daquele meio, longe do jornalismo habitual que lemos por aí, e como as coisas realmente funcionam.

“Estamos importando muito. E cada vez mais jogos aparecem. As coisas mudaram. Qual desenvolvedor antigamente imaginava lançar um jogo na Steam? Hoje em dia já tem muitos lançando. Esperamos que esse abismo nosso entre o exterior fique cada vez mais curto” concluíram.

Side Quest será lançado na próxima segunda-feira, dia 15, na Steam para Windows. Acesse a página no Facebook e saiba mais!

Quantum Break agora vai chegar para Windows 10

Se você não é um jogador do Xbox One e estava ficando com ciúmes pela qualidade do novo game da Remedy estrelando Shawn Ashmore (The Following), não se preocupe. A Microsoft anunciou nesta quinta-feira (dia 11) que o jogo terá cross buy com o Windows 10, ganhando assim um port para PC.

No cross buy, aqueles que adquiriram Quantum Break na pré-venda também receberão uma cópia do game para o sistema operacional da Microsoft no PC. Além disso, a data de lançamento será simultânea, permanecendo a mesma para ambas as plataformas. Foi liberado também as especificações do jogo.

Confira abaixo e veja se o seu PC é potente para rodar:

  • Mínimo:
  • Windows 10 64-bit
  • DirectX 12
  • Intel Core i5-4460 2.70GHz ou AMD FX-6300 processador
  • NVIDIA GeForce GTX 760 ou AMD Radeon R7 260x
  • 2GB de VRAM
  • 8GB ou RAM
  • 55GB de espaço disponível

 

  • Recomendado:
  • Windows 10 64-bit
  • DirectX 12
  • Intel Core i7 4790k ou AMD equivalente
  • NVIDIA GeForce 980 Ti ou AMD Radeon R9 Fury X
  • 6GB VRAM
  • 16 GB ou RAM
  • 55 GB de espaço disponível

Junto com a boa noticia para os jogadores de PC, há também uma surpresa aos gamers do Xbox. Quem adquirir Quantum Break em qualquer época levará de presente Alan Wake, jogo também desenvolvido pela Remedy. E, caso você adquira Quantum durante a pré-venda, ganhará o título original de Alan Wake e American Nightmare, espécie de sequência não canônica do jogo. Afinal de contas, parece que a Microsoft está mesmo se esforçando com seus exclusivos.

Enquanto isso, Quantum Break chega ao Xbox One e PC em 5 de abril.

Fonte: Destructoid.

Conheça Side Quest, jogo do estúdio brasileiro Miris Mind

Apesar do Brasil estar entre os quatro maiores consumidores de jogos do mundo, ainda somos um território pequeno quando se trata sobre desenvolvimento de jogos realmente nossos. Porém, com passos de criança (assim como praticamente toda a revolução digital é) estamos crescendo neste meio. Alguns bons exemplos são os jogos independentes, entre eles Side Quest, incrível jogo desenvolvido pelo estúdio paulista Miris Mind.

A desenvolvedora surgiu assim, de repente, com a parceria entre dois pequenos estúdios que se completavam em um projeto, percebendo que seus talentos poderiam se unir em algo grandioso. Variando de membros que já trabalharam com marketing e outras áreas bem distante dos games, a Miris Mind é responsável por Shadow of a Pirate e Keep of Indra, entretanto, seu trabalho mais recente é mesmo Side Quest.

Aqui no Poltrona Nerd, tivemos a oportunidade de testar o game (fica ligado para a nossa crítica em breve). Com uma história simples, porém, bem trabalhada, Side Quest é cativante. Unindo elementos clássicos do beat’em up, Side Quest segue um cozinheiro que de repente se torna herói, ganhando poderes mágicos de um velho maluco parecido com o Gandalf. A premissa é básica: você precisa salvar a princesa, mas será que pode aguentar as hordas de inimigos que não param de vir para cima? Desde goblins até dragões, Side Quest é um game completo.

Recentemente, o jogo recebeu o Greenlight da Valve e estará disponível na Steam, exclusivamente para PC, em 15 de fevereiro. Caso queira saber mais sobre Side Quest, basta acessar o site do game.

The Culling é tudo o que gostaríamos de ver em um game de Jogos Vorazes

Se você já leu Battle Royale ou assistiu Jogos Vorazes (nada o impede de ter lido os livros) já tem uma ideia de quão brutal poderia ser realmente uma arena em que os competidores vão até o limite da sobrevivência, plantando armadilhas e matando uns aos outros da forma mais brutal possível. Apesar de não ser uma ideia original, todos gostariam de vivenciar isso no mundo virtual, ou seja, em um game. Com isso em mente, a desenvolvedora Xaviant anuncia The Culling.

The Culling é um PvP básico de 16 pessoas que utiliza da temática. Presos em uma ilha, os jogadores terão o objetivo de se eliminarem do modo que acharem melhor, seja por armadilhas mortais, empurrões de desfiladeiro e mortes brutais com serra elétrica. Como parte da sobrevivência, será necessário procurar por armas e suprimentos, como comida, etc.

Assista ao trailer:

“Eu pedi a um pequeno e talentoso time para fazerem sua ideia dos sonhos e os dei autonomia” declarou o fundador da Xaviant, Michael McMain. “The Culling é o resultado de seus esforços”

Por enquanto, The Culling será lançado exclusivamente para PC na Steam em 8 de março. Não há informações sobre outras plataformas.

Fonte: Destructoid.